Israel institucionaliza a manipulação da opinião pública

midia

Este tipo de ação cria um nova padrão no mundo da mídia. Esta não poderá mais  ser analisada da mesma forma, pois há uma revolução em curso principalmente trazida pela internet e agora associada com este tipo de ação.

A relação entre sociedade – mídia e individuo -mídia deve mudar. Ela precisa ser vista de forma totalmente diferente, a mídia já é palco de disputas argumentativa e isto se aprofunda com ações ativistas institucionalizadas. Qual o impacto que o poder, as relações e o dinheiro tem sobre isso? Como saber em qual onda você surfa? E quais as ondas em curso, da moda e marginalizadas? Qual o impacto destas mudanças sobre o desligados destas ações?

— Vejam a matéria:

DIÓGENES MUNIZ
editor de Informática da Folha Online

Nem só de caças F-16 e mísseis teleguiados são feitos os ataques israelenses em Gaza. Uma arma em específico se destacou pela eficiência apresentada desde a escalada do conflito –e continuará sendo usada, mesmo após o cessar-fogo. Ela age nos bastidores da internet, modificando resultados de enquetes on-line, entupindo caixas de e-mails de autoridades e ajudando a protestar contra notícias desfavoráveis à comunidade israelense.

O nome da ferramenta é Megaphone, um software desenvolvido pela companhia Collactive e distribuído pela organização Giyus (“mobilização” em hebraico, mas também sigla para “Give Israel Your United Support” ou “Dê a Israel seu apoio integrado”, em tradução livre). O programa serve para mobilizar internautas pelo mundo dispostos a manobrar (“balancear”, segundo os usuários) opiniões na rede.

Desenvolvido em 2006, durante a Guerra do Líbano, seu uso atingiu 36.700 “soldados virtuais” com o conflito em Gaza. A meta: 100 mil participantes.

Lobby 2.0

O internauta disposto a fazer parte do arrastão cibernético precisa baixar um programa no site Giyus.org, que se apresenta como uma “coalizão de organizações pró-Israel trabalhando juntas para ajudar a comunidade judaica a fazer suas opiniões serem ouvidas de maneira efetiva”.

Instalada a plataforma, aparecem no computador alertas em tempo real sobre notícias, enquetes, artigos, vídeos ou blogs que estejam com visões “a favor ou contra” a comunidade. Lembram os avisos de novas mensagens do comunicador instantâneo MSN. O internauta é convidado, a partir daí, a “agir por Israel” –enchendo os alvos de críticas, elogios ou votos.

Com poucos cliques (e sem dominar o idioma da página em questão), é possível influenciar uma pesquisa no site do Yahoo! ou mandar uma notícia sobre mísseis palestinos para a ONU, entre outros. O programa oferece no próprio navegador um formulário completo de “ação” já preenchido, com endereços dos destinatários e conteúdo padrão a ser enviado: o internauta sequer precisa abrir sua conta de e-mail ou clicar em “enviar”.

Redes sociais e sites colaborativos, como Facebook e YouTube, também estão na mira do software. Esse tipo de estratégia, que recebeu o apoio do Ministério das Relações Exteriores de Israel, já forçou o site da BBC a tirar uma enquete do ar.

Desde o início da invasão a Gaza, dezenas de comunidades e sites foram “pichados”, invadidos ou derrubados, tanto por piratas virtuais palestinos quanto israelenses. O que se destaca neste caso, no entanto, é o modo de atuação do programa, que institucionaliza a manipulação de informação de forma coordenada e colaborativa.

Anúncios

One Response to Israel institucionaliza a manipulação da opinião pública

  1. […] havia comentado como Israel estava criando padrão para manipular a opinião pública por disfarce. Neste post afirmamos: Este tipo de ação cria um nova padrão no mundo da mídia. Esta não poderá mais  ser […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: