O cadáver de Yeda Crusius

Esse vale replicar. O Caso de Yeda no Rio Grande do Sul é algo escandaloso por vários sentidos. Um deles, pela atuação, ou melhor, não atuação da mídia…

Uma das intenções deste escriba é mostrar que a imprensa brasileira tem lado. Ela é parcial. E o lado dela, não é necessariamente o seu lado, como cidadão.
Lembramos todos do carnaval que foi instalado sobre a morte do Prefeito Celso Daniel, de Santo André. A mídia brasileira colocou no colo do PT o cadáver, insinuando que ele era arquivo e teria sido queimado. 
Aliás, foram mais do que insinuações. De toda forma, não deu o resultado esperado. Lula foi eleito e reeleito e hoje se sabe que tudo não passou de encenação de uma imprensa corrupta e comprometida.
Como sabemos que para ela, tudo tem dois pesos e duas medidas e está tudo bem assim, trazemos aqui o breve artigo do jornalista Luciano Martins Costa, publicado no Observatório da Imprensa e reproduzido noVermelho.
Ele fala justamente do cadável sobre a mesa da “governadora” Yeda Crusius. Cadáver este, que a mídia finge que não vê.
vejamos:
“A imprensa gaúcha de maior visibilidade aceitou sem qualquer reserva a tese do suicídio, embora o personagem merecesse uma atenção maior.
Marcelo Cavalcante era uma das testemunhas cruciais no processo resultante da chamada ”Operação Rodin”, que investigou fraudes e um amplo esquema de arrecadação ilegal de fundos no Detran gaúcho. Ele estava convocado para prestar depoimento ao Ministério Público Federal após o carnaval.
Seu cadáver foi encontrado no dia 17 de fevereiro, a terça-feira anterior ao carnaval. O enterro foi realizado rapidamente. Talvez com pressa demais para as circunstâncias que envolveram sua morte.
Falta de apetite
O governo gaúcho e a imprensa local anunciaram em uníssono que Marcelo Cavalcante foi induzido ao suicídio por conta de perseguições políticas.
O discurso é tão canhestro que não escapa até ao observador mais distraído a tentativa de jogar o cadáver no colo dos deputados do PSOL, que tentam estimular os jornalistas a prestarem mais atenção ao que pode ser um grande escândalo na administração Yeda Crusius.
O caso guarda algumas semelhanças com o assassinato do ex-prefeito Celso Daniel, de Santo André, região metropolitana de São Paulo.
Pouco antes de morrer, Cavalcante teria manifestado interesse em entrar para o programa de proteção de testemunhas do Ministério da Justiça. Mas nem de longe isso mereceu da imprensa qualquer menção. A não ser a Folha de S.Paulo, que dedicou alguma atenção ao acontecimento, o assunto parece incapaz de mexer com a curiosidade natural dos jornalistas.
Apenas alguns blogs acompanham o caso. Ninguém foi checar a autópsia, ninguém se interessou em saber se as câmeras da Ponte Juscelino Kubitschek gravaram o suposto suicídio, ninguém tratou de reconstituir os últimos passos do morto.
Estranho. Muito estranho.
 
Fonte: Observatório da Imprensa
*Jornalista e escritor. Comentário para o programa radiofônico do OI, 2/3/2009″
Por muito menos do que isso, se fosse um cadáver do Governo Federal, já haveria outra gritaria de impeachment.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: