Governo está “nem aí” para verba Federal

O Governo do Estado parece que está com o cofre muito cheio, pois as verbas federais para o sistema penitenciário são desprezíveis. Para um cofre apertado, qualquer dinheiro é bem vindo, mas segundo Vita alguns podem dar o desfrute de virar às costas. Se tais verbas são desprezíveis o governo poderia direcionar uma quantia igual para o aumento dos delegados e policiais ou para alguma organização social, que saberia dar o devido valor a este dinheiro.

Para ele o Ministério Público deveria esquecer o sistema prisional, assim como o Governo faz. Deveria priorizar educação e saúde, assim como o Governo não faz. Ele reclama do pau de arara que alunos usam par ir à escola, mas esquece que esse problema é do governo dele. Aliás Maranhão criticou muito Cássio por isso.

Foi uma frase infeliz é claro, mas mostra como o Gestão está “nem aí” para o que os outros órgãos falam e sugerem. E sente-se ofendido por que outro órgão está cumprindo sua missão. Se o MP foi inoperante em relação a outros assuntos, pelo menos nesse ele não foi. Se ele queria insinuar alguma atitude política por trás da ação, não fez diretamente e terminou se perdendo…

Se diante dos problemas, busca-se culpar os outros e/ou desqualificar os demais órgãos, é porque não se tem interesse em resolvê-los, quer apenas gerir o caos, ou deixar a máquina funcionando como sempre, afinal não somos uma suíça (e nem se quer ser?!). O resto é esperar que o dinheiro caia do céu… por que não se vai “correr atrás”.

Vejam a reportagem do Paraíba 1 que traz a fala do secretário.

“As verbas federais enviadas para a administração de presídios na Paraíba são desprezíveis”. A frase é do secretário Roosevelt Vita, da pasta de Cidadania e Administração Penitenciária da Paraíba, que minimizou o pedido de suspensão das verbas federais feito pelo Ministério Público Federal na Paraíba. Ele disse ainda que “aqui não é a Suiça, temos prisões, escolas e favelas caóticas”.

Segundo ele, somando toda a verba de um ano daria para pagar o almoço da população carcerária na Paraíba por 14 dias. Ele ainda insinuou que o Ministério Público deveria se preocupar com a qualidade das escolas e da Saúde. “Falta merenda escolar e crianças são carregadas em paus-de-arara. E os hospitais são roletas russas”, revelou.

Vita disse que tragédias podem acontecer em qualquer lugar e que as condições dos presídios paraibanos são precárias, mas que está entra as melhores do Brasil. “O défcite no sistema prisional da Paraíba é pequeno quando comparado ao do resto do país”, disse. No entanto, independente da colocação neste ranking, o presídio do Roger deveria abrigar pouco mais de 300 detentos, mas tem quase 900.

Ele aproveitou a entrevista ao Paraíba1 para contar como tudo aconteceu no dia em que os presos atearam fogo nos colchões e cerca de 50 pessoas ficaram feridas e seis morreram. “Corredores apertados e o vento soprando contra não permitiram que as celas fossem abertas. Os agentes precisaram quebrar as paredes pelo lado de fora para salvar os detentos”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: