O que é isso companheiro? Qual o sentido das ações do PT-PB?

4 junho, 2011

O PT da Paraíba é um caso aparte no cenário político estadual. Trata-se nada mais, nada menos, que o partido de origem do atual Governador, que não simplesmente passou pela sigla, como foi um de seus grandes destaques durante mais de dez anos.

Não deixou o partido por falta de identificação, mas por divergências internas e vontade de ocupar o cargo de Prefeito quando surgir claramente uma grande oportunidade. O que conseguiu em 2004 com certa comodidade. Ao deixar o PT, Ricardo Coutinho se filiou ao PSB, partido histórica e umbilicalmente ligado ao PT, podendo ser chamado de um de seus satélites.

Diferente de muitos que deixaram o PT durante os anos Lula e já anteriormente, Ricardo não se mostrou um político dito de extrema esquerda, que deixaram o PT por sua uma guinada ao centro. Pelo contrário, Ricardo, mesmo fora do PT representa bem esta guinada, que por osmose ou consequência faz seus partidos irmãos, como o PSB, PCdoB e outros, também executarem.

Ou seja, seria natural esperar do PT um apoio mais forte ao PSB de um candidato que crescia exponencialmente desde quando era vereador. Assim como o PT espera de seus “irmãos” um apoio, seja no primeiro ou segundo turno (aqui para os chamados de extrema esquerda), era de esperar o apoio recíproco ao PSB. Entretanto, as brigas internas deixaram marcas profundas e pessoais, que fizeram muitos petistas esquecerem sua origem comum, sua ideias similares e o seu campo político para comprarem uma briga auto-fágica.

Quando Ricardo se aliou ao PMDB (2003) e depois ao PSDB e DEM (2010) disseram que este seria o seu fim, que o PSB não teria hegemonia na coligação, assim como o PT tem a nível nacional na sua aliança com o PL (2001) e depois com o PMDB (2003) e outros. Mas o histórico vem mostrando o contrário, Ricardo soube construir a hegemonia usando um projeto político como mecanismo de união e correção de rumos.

Ao ocupar cada vez mais o espectro de esquerda na PB e ao conquistar os novos eleitores simpatizantes do estilo PT/Lula de governar, Ricardo e o PSB foi sufocando um PT, já em definhamento, simplesmente pela falta de espaço. Eles lutam e brigam pelos mesmos eleitores, por mentes e ideias similares e  pelo estilo de governar da nova esquerda de grande influência lulista.

Para completar a sina do PT da PB este tomou atitudes e agiu de forma descompassadas com os novos caminhos da política brasileira. Em vez de fortalecer o centro-esquerda local, fomentou o conflito e a separação unicamente para projetar seus próprios políticos e não suas ideias. Passou a ser massa de manobra e escorra para outros partidos, em particular o PMDB.

O PT parece falar para o PSB: sua estrela não pode brilhar mais que a minha. Você não pode ocupar o espaço e aproveitar a oportunidade que sempre sonhamos. Essa conquista deveria ser nossa por direito. Entretanto, foi o próprio PT que construiu este rumo e esta história, por suas opções que o passado e agora o presente mostram ser equivocadas.

Quem entende esse oposição acirrada do PT em relação ao governo do PSB de Ricardo? Teoricamente quem teria mais interesse nesse tipo de ação política seria o PMDB, que se sentiu traído por querer sufocar seu grande coringa e uma de suas forças aliadas, o Ricardo Coutinho. Porque isso? Porque querer tomar um espaço de centro-esquerda em consolidação pela liderança do PSB? Porque o PT se sente tão ofendido com o Governo do PSB? Porque tomam as dores de uma oposição que é mais de Maranhão/PMDB em relação a Cássio e Ricardo?

Durante a vice-governadoria no Maranhão III, o PT não fez valer seu estilo de governar. Não fez valer sua posição de “braço direito” da aliança. Não fez valer o espaço que ocupou.

Assim, resta ao PT pensar: que espaço e estilo de governo ele quer se apropriar, aquele do PMDB ou aquele do PSB? Ainda, que avanço o PT quer mostrar em relação ao PSB? O que o PT está comunicando, um partido a la PMDB ou um partido além PSB?

Se alimentar de um antagonismo (Cássio – Maranhão) como mote para sua alavancagem é seguir o caminho oposto que se vê a nível nacional – aquele de superação do antagonismo PT-PSDB. O PT local pode estar fazendo o caminho do PSDB nacional, direcionando-se a uma centro-direita por oposição a uma visão/partido de centro-esquerda em consolidação. Esse caminho está transmutando o PSDB que tem como destino retirar a Social-Democracia de sua sigla.

Anúncios

Merenda escolar, impeachment, imprensa e oposição em João Pessoa

9 maio, 2011

Mais uma vez o caso da merenda volta a afetar a gestão do Luciano Agra e Ricardo Coutinho. Ao aparecer em reportagem do Fantástico abriu grande discussão nos meios políticos. O que vamos analisar aqui é três elementos: governo, oposição e imprensa.

  • O governo

A licitação para terceirização da merenda está se refletindo numa decisão errada por parte da Prefeitura, não pelo procedimento em si, pois tudo indica que houve regularidade na licitação e pagamento sem uso de recursos federais, mas pelo tipo de empresa privada que atua neste área. Inúmeras empresas desse ramo estão envolvidas em uma série de denuncias que vão da má qualidade do serviço até atos de corrupção. Mostrando como o setor privado não é o santo graal da gestão como muitos afirmam.

A  prefeitura imaginou que poderia controlar a qualidade da merenda mesmo sabendo que iria trabalhar com uma empresa desse tipo. Mas o futuro mostrou que não foi bem assim. Eram tantos problemas na empresa que algo sairia errado, e saiu. Se a fabricação de merenda pelo poder público já é de difícil controle de qualidade (vamos ser sinceros, todos sabemos o histórico de sabor e qualidade das merendas em escola pública) imagina tendo que lidar com outra instituição. Se até nos Restaurantes Universitários há reclamações sobre cardápio e qualidade, imagine em escolas municipais.

Pois bem, o governo tentou corrigir a situação refazendo a licitação, mas como toda compra pública é um processo demorado, o tempo acabou e houve a necessidade de renovação preventiva com a SP alimentação. Muita embora jornalistas mal intencionados afirmem que “após denúncia, Luciano anuncia cancelamento de contrato da Merenda”. O que não é verdade! Ele já seria cancelado, só faltou tempo hábil para substituição. Ou ele queria que fosse feito contrato sem licitação ou que faltasse merenda?

O governo deveria ter arrochado o controle sobre a SP Alimentação para esta fornecer, transportar e armazenar o alimento com condições adequadas e cobrando o fornecimento do que foi contratado. E outra, deveria cobrar mais das provadoras, mantendo uma qualidade de sabor. Pois uma escola que tem laboratório de informática, consultório dentário e boa estrutura pode servir uma merenda de má qualidade? É falta de controle.

Assim foi cozinhado um belo prato para a oposição e imprensa, muita dela irresponsável: má qualidade e sabor da merenda, provavelmente pelo má armazenamento dos alimentos pela SP Alimentação.

  • A imprensa

Uma reportagem da Globo que premiou João Pessoa com sua presença foi a cereja. Afinal, porque eles não visitaram as escolas de Recife e São Luis que também tem a SP Alimentação como fornecedora para fechar com chave de ouro a reportagem. Deixaram essas prefeituras de lado, porque? Mas isso é o de menos.

Aí os nossos grandes jornalistas, que não sabem nem fazer uma reportagem sobre o má transporte de carnes que a SP Alimentação fazia, começam a falar ou comemorar a situação com piadinhas, meia-informação e risadas sobre o povo. Fazem a festa do quanto pior melhor. Será que eles realmente pensam em nosso desenvolvimento?

A grande imprensa nacional está perdendo credibilidade todo dia pelos suas ações de ataques desproporcional contra o governo do PT e até preconceituoso contra Lula.

  • A oposição

O quadro se fecha com a oposição pedindo o impeachment de Agra! Querem fazer uma tempestade numa caixa d’água (esse problema não é para um copo). Bradam raivosamente como se fossem pego de surpresa. Bradam com tal desproporção, provavelmente atiçados pelos grandes jornalistas da PB, não para pedir um CPI, uma investigação. Muito menos colocar lupa sobre o caso. Pedem um impeachment.

Essa não parece ser um bom caminho para a oposição. A população sente quando políticos parecem se guiar pelo “quanto pior melhor”, pelo “quer se aproveitar da situação” e pelo “querem torcer um pingo d’água”. Isso já é conhecido. A nível federal o DEM e o PSDB perceberam bem isso quando raivosamente bradavam sobre Lula e o governo dele. José Serra sentiu na pele quando começou a confundir a população com boatos sobre Dilma e na PB, o PMDB e quem diria, o PT, sentiram isso quando apoiaram por inércia ou indiretamente os panfletos sobre pacto com demônio, o tal caboclo Girassol.

A população parece está cada vez mais vacinada contra certos processos políticos e midiaticos que visam obter dividendos e se aproveitando do quarto poder para interesses pessoais e grupais, sem transparência. Pois se possam de imparciais para conquistar o público.


E as pesquisas para Governador-PB, o que nos dizem?

21 março, 2010

Pois bem, vamos dar crédito aos números destas pesquisas e aliar a isto uma avaliação qualitativa do cenário que vivemos nestas últimos meses. Primeiro vejamos os dados das pesquisas:

Do IBOPE para CONSULT Cícero (-5,3) e Ricardo (-5,4) perdem votos. Enquanto que Maranhão (+4,1) e Indecisos (+7,05) sobem. Os brancos e nulos, aqueles que não votam em nenhum deles praticamente se mantêm.

Os seja, os votos de Cícero e Ricardo foram para Maranhão e indecisos. Partindo da observação de que de outubro de 2009 para fevereiro de 2010 a aliança de Ricardo se consolida com Efraim e Cássio, pode-se entender que parcela dos votos certos de Ricardo foi para indecisos.

Da parte de Cícero, seus votos certos, migraram para Maranhão e outros para indecisão. Visto que houve um processo de paquera ente Cícero e Maranhão nesse período, ao mesmo tempo em que a campanha de Cícero era bombardeada por Cássio, é de supor que tal migração tenha ocorrido. Entretanto, diante da acirrada disputa entre Cícero e Cássio nesse período, os votos cativos de Cícero eram para se afirmarem, e não para correrem da raia. É como se Cícero mantivesse a candidatura e quase metade de seu eleitorado falasse: “Desista. A gente já trocou de barco”.

Diante da paquera que manteve com Cícero, é provável que Maranhão tenha ganhado os votos dos ciceristas. De Fevereiro para outubro de 2009 Maranhão já tinha 8 meses de governo, já tinha explorado propagandas e a máquina do Correio já estava atuando a seu favor, fora isso, tinha inaugurado vários inícios de obras. Os mais cinco meses até fevereiro de 2010 não mudaram muita coisa, a não ser o aumento dos ataques e até apelações do sistema Correio em suas reportagens contra a prefeitura. Isso, entretanto pode ter contribuído para aumentar a indecisão de alguns que votam em Ricardo, do que para aumentar os votos de Maranhão.

Da pesquisa CONSULT para a VOX POPULI temos uma diferença de uma semana, na qual Maranhão ganha quase 3 pontos a mais (2,9%) e a pesquisa indica que estes votos viriam dos indecisos, pois os votos de Cícero e dos Nulos/Brancos mantêm-se no mesmo patamar, praticamente não mudaram. Nesta semana não houve nenhum fato gravíssimo que mudasse muito o cenário local, ou seja, que fizessem os indecisos, provavelmente vindos do bloco de Ricardo tomasse o partido de Maranhão. Mas com que argumentos?

Deste modo a grande pergunta é: será mesmo que os ciceristas abandonaram Cícero, seja pela por imaginar que Cássio consiga acabar com a candidatura de Cícero ou da paquera ente Cícero e Maranhão? Será mesmo que estes ciceristas, diante da insistência de Cícero em manter sua candidatura e peitar Cássio tenham abandonado seu líder? Ou pergunta, será mesmo que Maranhão conseguiu em uma semana acabar com a indecisão de quase 3% do eleitorado, que provavelmente vieram do bloco de Ricardo?

Supondo um “não” para todas essas perguntas, é provável que tenha ocorrido um inchaço artificial dos números de Maranhão. E uma desidratação artificial dos votos de Ricardo. Mesmo assim, se ficamos com a tendência e suprimindo tais inchaços e desidratações artificiais, é possível supor que ainda persista o empate técnico, mas desta vez, Maranhão pode estar na frente numericamente, mas sem tantas garantias de vitórias como mostram estas duas últimas pesquisas.

Qualquer aliança ou fatos social podem ser significativos para a vitória. E Cícero ainda tem muito peso na eleição seja para lá ou para cá. E Maranhão já percebeu isso, o Sistema Correio também, tanto é que já aliviam a barra para o ex-prefeito de João Pessoa. Ricardo que se cuide, pois Maranhão com a máquina do Estado e o Sistema Correio trabalhando para ele tem muita artilharia para soltar e Ricardo com sua espera excessiva para dar atenção às lideranças pode estar perdendo tempo. Armando Abílio que o diga.

Aqui mais uma vez é relevante ver: qual o índice de conhecimento e de rejeição dos candidatos? CONSULT e VOX POPULI não mostraram. Isso ajuda a incrementar as análises. Ficamos na mão.


PT: um processo de humilhação

9 março, 2010

Esta análise de Aguinaldo Almeida merece replicação e reflexão. O comentarista mostra como o PT foi reduzido a mero partido , daqueles de aluguel que só servem para encher a chapa e dar mais tempo de TV. Trata-se de uma grande tapa na cara de Cartaxo e de outros petistas que resolveram apoiar Maranhão a qualquer custo, podemos dizer, se venderam para o “homem do palácio”.

Por outro lado, a análise é rica em mostrar indiretamente como Maranhão, que tanto acuso Ricardo de autoritário, dono de projetos pessoais, faz exatamente isso que imputa aos adversários. Imagine se Ricardo e o PSB estivesse com Maranhão, teria que se render a seus caprichos. E o PT estaria em pior posição. Essa revitalizante não submissão do PSB-Ricardo a Maranhão foi por outro lado amenizada pela aliança com o DEM-PSDB.

Por Agnaldo Almeida

O PT da Paraíba está passando por um processo de humilhação que decididamente não merecia. Paparicado em 2006 pelo então candidato ao governo José Maranhão, o partido fechou uma aliança, cabendo-lhe nas negociações o direito de indicar o candidato a vice.

Foi o que fez. Recaiu a escolha no nome de Luciano Cartaxo, que era vereador da Capital, líder do prefeito Ricardo Coutinho, e que na época tinha boas chances de concorrer à Assembleia Legislativa.

Maranhão e o PMDB nem discutiram a indicação porque sabiam o quanto precisavam do apoio petista. Lula estava – como ainda está – em alta, marchava para uma reeleição garantida e atuava muito nos estados como cabo eleitoral dos candidatos aliados do PT.

A coligação perdeu as eleições daquele ano, mas em 2009 conseguiu vencer a disputa no tapetão. Maranhão assumiu o governo e Luciano foi empossado como vice. Durante todo o tempo em que rolou o processo na justiça eleitoral, tanto o PT quanto Luciano foram peças importantíssimas para finalmente se chegar à decisão do TSE.

Petistas de alto coturno, como o ex-presidente Ricardo Berzoini, estiveram o tempo todo engajados na briga judicial para convencer os ministros da corte eleitoral de que a eleição na Paraíba havia sido fraudada.

Resolvida esta parte, no dia 18 de fevereiro do ano passado, instalou-se o novo governo. Desde o início já se percebia que Luciano Cartaxo era um vice sem muito prestígio. Bom cabrito, ele, porém, resolveu não berrar.

O partido também fez de conta que não via nada. Estava em curso uma disputa interna entre os grupos do deputado federal Luiz Couto e do deputado estadual Rodrigo Soares. Maranhão, pressentindo a ligação entre Couto e Ricardo Coutinho, tomou o partido de Rodrigo e passou a cooptar petistas para que o apoiassem na disputa pela presidência estadual do PT.

Luciano foi leal a Maranhão o tempo inteiro e trabalhou duro para eleger Rodrigo Soares. Tinha como certo que a indicação de seu nome para a reeleição seria pacífica. Se duvidasse de alguma coisa, poderia até ter iniciado um trabalho político com vistas a obter uma vaga na Assembleia Legislativa.

Bom, o tempo correu e agora Luciano e o PT estão chorando pelo leite derramado, já que não há a menor chance de que o atual vice-governador venha a figurar na chapa dos sonhos de Maranhão. Ele já disse e repetiu que o vice é de Campina Grande. Aliás, disse isto numa entrevista tendo ao lado o próprio Luciano. Depois, numa outra solenidade, omitiu na saudação o nome do petista, que não pôde esconder o constrangimento.

O processo de humilhação da sigla está na reta final. Os articuladores do Palácio pensam em oferecer a Luciano uma hipotética suplência de senador. Chega a ser um deboche. O mais curioso, porém, é que mesmo descartado, como coisa já usada e sem mais serventia, o PT continua mudo, cabisbaixo, com o rabo entre as pernas.

Um partido que tem Lula como presidente de honra e uma militância reconhecidamente forte não poderia estar sendo tratado desta forma. Em outros tempos… ah, em outros tempos e com outros dirigentes o PT já teria botado a boca no trombone. Não se conformaria com essa migalha de três ou quatro cargos que ocupa no atual governo.

Está faltando coluna vertebral. O partido está agachado como nunca esteve.


Folia de Rua 2010 – Programação – João Pessoa

1 fevereiro, 2010

Dia: 5 de Fevereiro (Sexta-feira)

Abertura Oficial com Os Blocos
Filiados da Associação Folia de Rua.

Palco Principal:
Local: Centro Historico – Concentração: 19hs.

Show: Alceu Valença + Renata Arruda + Diana Miranda
+ Beto Brito + Gracinha Telles + Paulo Ditarso + Ragina Braw
+ Lis Albuquerque + Anair Claro + Jairo Madruga e Orquestra
de Frevo Parahíba POP.

Blocos que fazem a Abertura no Centro:

Bloco Folia Cidadã
Local: Porto do Capim – Centro.
Concentração: 17hs.

Bloco Anjo Azul
Local: Ao Lado da Faculdade de Direito – Centro.
Concentração: 18hs.

Bloco do Pinguim
Local: Pavilhão do Chá – Centro.
Concentração: 19hs.

Picolé de Manga
Local: Cordão Encarnado – Varadouro.
Concetração: 19hs.

Confete e Serpentina
Local: Praça Dom Úlrico – Centro.
Concentração: 19hs.

Bloco da Limpeza
Local: Ponto de Cem Réis- Centro
Concentração: 19hs.

Dia: 6 de Fevereiro (Sábado)

Bloco dos Atletas
Local: Av. Epitácio Pessoa – Praia de Tambaú.
Concentração: 18hs.

Bloco Dixmantelados do Cristo
Local: Rua: Ranieire Mazile – Bairro do Cristo.
Concentração: 19hs.

Bloco Eternamente Flamengo
Local: Principal dos Funcionários II – B. dos Funcionários II
Concentração: 19hs.

Bloco Virgens de Mangabeira
Local: Mangabeira por Dentro – Mangabeira.
Concentração: 19hs.

Bloco Tambiá Folia
Local: Avenida Principal – Bairro de Tambiá
Concentração: 19hs.

Bloco Amoringa dos Bancários
Local: Avenida Principal – Bairro dos Bancários.
Concentração: 19hs.

Bloco Agitada Gang
Local: Av. Epitácio Pessoa – Praia de Tambaú.
Concentração: 16hs.

Bloco As Piabas
Local: Feirinha de Tambaú – Praia de Tambaú.
Concentração: 19hs.

Dia: 7 de Fevereiro (Domingo)

Bloco As Virgens deTambaú
Local: Av. Epitácio Pessoa – Praia de Tambaú.
Concentração: 18hs.

Bloco dos Imprensados
Local: Av. Cabo Branco – Praia de Cabo Branco.
Concentração: 16hs.

Bloco Viúvas da Torre
Local: Av. Carneiro da Cunha -Bairro da Torre
Concentração: 18hs.

Dia: 8 de Fevereiro (Segunda-feira).

Bloco da Melhor Idade
Local: Busto de Tamandaré – Praia de Tambaú
Concentração: 17hs.

Dia: 9 de Fevereiro (Terça-feira)

Bloco Portadores da Folia
Local: Av.Cabo Branco – Praia de Cabo Branco.
Concentração: 16hs.

Bloco Unidos do Castelo
Local: Av. Principal do Bairro – Castelo Branco.
Concentração: 19hs.

Bloco 25 Bichos
Local: Principal de Jaguaribe por Dentro – Jaguaribe.
Concentração: 19hs.

Bloco Baratas dos Bancários
Local: Av. Principal dos Bancários -Bancários.
Concentração: 18hs.

Bloco Acorde Miramar
Local: Av. Tito Silva/Praça das Muriçocas – Miramar
Concentração: 22hs.

Dia: 11 de Fevereiro (Quinta-feira)

Bloco Galo do 13 de Maio
Local: Praça Assis Chateuaubriand – 13 de Maio
Concentração: 18hs.

Bloco Canto do Teteu
Local: Principal de Jaguaribe por Dentro – Jaguaribe.
Concentração: 19hs.

Bloco Cordão do Frevo Rasgado
Local: No final da Av. Manaíra – Manaíra
Concentração: 19hs.

Dia: 12 de Fevereiro (Sexta-feira)

Bloco Cafuçu
Local: Ponto de Cem Réis – Centro
Concentração: 18hs.

Bloco Elefante da Torre
Local: Av. Principal do Bairro – Torre
Concetração: 19hs.

Dia: 13 de Fevereiro (Sábado)

Bloco Boi do Bessa
Local: Golfinho Bar – Praia do Bessa
Concentração: 13hs.

Bloco As Peruas do Valentina
Local: Av. Principal do Bairro – Valentina
Concentração: 15h30m.

Bloco Urso Gay
Local: Mangabeira por Dentro – Mangabeira.
Concentração: 19hs.

Dia: 10 de Fevereiro (Quarta-feira)

Bloco Muriçocas do Miramar

Foi colocado a programação do Folia de Rua, mas esquecemos que o bloco das Muriçocas não faz parte do Folia, oficialmente. Ele irá sair sim!!!

Visitem o site do Bloco.


Verão em João Pessoa – Estação Nordeste 2010

9 janeiro, 2010

Confiram:

JANEIRO 2010
Estação Nordeste – Praia de Tambaú (Sábados)
02/01 – Jorge Benjor / Exodus Reggae Band
09/01 – Zé Ramalho / Paulo Vinícius
16/01 – Mutantes / Cabruêra
23/01 – Daniela Mercury / mestre Fuba
30/01 – Gilberto Gil / Escurinho

Estação Nordeste – Ponto de Cem Réis (sextas-feiras)
08/01 – Paulinho Moska / Eleonora Falcone
15/01 – Pinduca / Zabé da Loca / Cortejo de Tribos Indígenas
22/01 – Pitty / Bárbara
29/01 – Ray Lema / Adeildo Vieira / Caiana dos crioulos


O duplo reveillon e a farra do poder

1 janeiro, 2010

Um dia ele acordou e viu que não tinha palco nem palanque para subir quando da maior festa dos povos da humanidade. Aí se deu conta que tinha o poder lhe dado pelas regras democráticas e percebeu que: se eu não tenho reveillon para ir, posso montar um para mim. Faço uma grande festa, terei meu palanque e ganharei a mídia.

Assim acordou num dia destes nosso rei (ops) governador José Maranhão. E João Pessoa teve duas festas de fim de ano. Algo inigualável. Só faltou Lula fazer uma festa aqui também. Seria ótimo para divulgar a sua candidata sucessora. Não acham? E o paraibano teria três festas, muitas opções para ir.

E assim foi feito. Como previsto, a festa de Maranhão teve muito mais pessoas que a da Prefeitura. Se fosse para disputar público, o prefeito teria contratado qualquer outra banda de apelo popular. Mas a questão não é por aí. Foram festas diferentes, para públicos, estilos e gostos diferentes. O problema está no que foi colocado acima, a festa de Maranhão, da pessoa, e a festa da prefeitura, da instituição. Foi isso que vimos na virada de 2009-2010 em João Pessoa.

Todos na cidade aproveitaram bem as festas, do seu modo e com seu gosto, mas todos também sabem que Maranhão fez a festa apenas como uma forma de afrontar e mostra que é melhor (só porque traz mais público para uma FESTA) que o prefeito. Quem esteve na cidade nesse último mês sabe que foi assim e sabe que uma gestão pública não se pode guiar por tais referências. Ninguém vota em quem faz a festa mais bonita, isso é picuinha e das grandes com dinheiro público. Como toda ação pode ter vários sentidos e objetivos, pelo menos o público que foi teve a oportunidade de curtir sua banda preferida do jeito que quis. Agora vamos para a festa do próximo rei, o rei momo.