Alguém pode controlar Israel?

31 maio, 2010

ANTES UM FIM HORRÍVEL QUE UM HORROR SEM FIM?

A hipótese mais pessimista confirmou-se, e o impensável aconteceu: uma flotilha de seis barcos levando civis desarmados e ajuda humanitária foi atacado com força letal em águas internacionais por comandos israelenses, resultando na morte de pelo menos dez pessoas – mas há relatos que falam em vinte mortos e três vezes mais feridos.

Os suspeitos de sempre já se espalharam pela mídia, dizendo que isso era de esperar, culpando os mortos pelas mortes e acusando as vítimas de terem atacado comandos israelenses portando armas de guerra com cabos de vassoura e facas de cozinha, forçando os pobres rapazes a abrir fogo a queima-roupa com as suas armas automáticas para se defenderem.

Israel, dizem eles, não podia permitir que os navios da flotilha chegassem a Gaza, furando um bloqueio legítimo de um território habitado por 1,8 milhão de bandidos e terroristas.

Deixando de lado a questão da legitimidade e da legalidade do bloqueio de Gaza pelos israelenses e admitindo, para facilitar a discussão, que as leis internacionais dão-lhes o direito de deter a flotilha pelos meios que se fizessem necessários, por que foi preciso enviarem comandos para tomar de assalto os navios antes do amanhecer, em águas internacionais, em descarada violação dessas mesmas leis internacionais?

Havia outros meios de deter os navios sem correr o risco de matar civis. Poderam, para ficar apenas num exemplo óbvio, esperar que eles chegassem em águas territoriais de Israel, desabilitar os sistemas de comando dos barcos e rebocá-los calmamente para um dos seus portos, acusando a todos os passageiros de entrada ilegal no país e deixando-os guardados por um tempo até esfriarem a cabeça. Ninguém poderia acusá-los de coisa alguma e eles ainda poderiam dar umas boas risadas às custas do fiaco da flotilha.

Em vez disso, preferiram abordar a bala seis barcos com setecentos civis desarmados a bordo, em águas internacionais, juntando a pirataria ao homicídio. Todos sabemos, sobretudo depois que eles foram praticar tiro-ao-alvo com civis de Gaza em 2008, que a noção de relações públicas dos israelenses é meio bizarra, mas isto parece ser demais mesmo para eles: matar palestinos é coisa corriqueira, já estamos acostumados. Matar brancos europeus é inaudito.

O que aconteceu? Será que estão perdendo o controle? Será que a gangue governante deles está decidida a dar razão aos que dizem que são loucos?

Não. Há metodo na loucura deles: estão mandando um recado prà gente. Com a maré da opinião pública mundial voltando-se contra as práticas delinquentes eles, frente à derrota certa da iniciativa conjunta deles com os EUA de imporem mais sanções ilegais ao Irã, vendo o seu arsenal nuclear condenado por unanimidade por 189 países em uma declaração que atéos seus aliados mais próximos foram forçados a assinar e prestes de serem arrastados aos tribunais internacionais pelo que fizeram em Gaza em 2008, os israelenses nos estão dizendo que farão o que for preciso para defender os seus interesses – e que não ligam a mínima para o que o mundo acha deles.

Vão abater a tiros que ficar no caminho deles, vão invadir os vizinhos quando lhes der na telha, vão enviar submarinos com ogivas nuclearres para o litoral iraniano e *vão usá-los* se for preciso. Nada pode detê-los.

Este é recado dos vinte mortos em alto mar: não mexam conosco, podemos tudo.

Está claro que a população israelense, mergulhada em uma barragem de propaganda que os convenceu de que *eles* são as vítimas e que o mundo todo está atrás do couro deles, não vai fazer nada para deter os bandidos que os governam e, ao contrário vão elegê-los de novo até o fim dos tempos. De modo que já está mais que na hora de a comunidade internacional tome uma atitude firme e unida contra as loucuras deles. Se os EUA não assumem as suas responsablidades de pôr um freio nos seus aliados ensandecidos, outros deverão fazer isso por eles.

Urgentemente. Antes que nos arrastem a todos para o Armageddon que parecem desejar tão ardentemente

Por Tomás Rosa Bueno

Anúncios

A guerra limpa e sem erros de Israel

14 julho, 2009

“Abrimos fuego y no hacemos preguntas”. “Nos dijeron que debíamos arrasar la mayor parte posible de nuestra zona”. “Mi comandante me dijo, medio sonriendo, medio serio, que esas demoliciones podrían añadirse a su lista de crímenes de guerra”. “Si alguna vez nos hablaron de inocentes, fue para decirnos que no había inocentes”. Es el turno de los soldados israelíes. Dirigentes, académicos y analistas hebreos; políticos y civiles palestinos; organizaciones no gubernamentales internacionales y locales; Naciones Unidas. Todos han investigado y extraído conclusiones de la guerra que el Ejército israelí lanzó contra Gaza el invierno pasado. ¿Guerra? “¿Es realmente plausible denominar batallas al bombardeo con artillería y tanques, y al fuego lanzado desde helicópteros y aviones?”, se pregunta el abogado Michael Sfard, defensor ante los tribunales israelíes de muchas víctimas palestinas del Ejército. “Es el ataque más duro que ha infligido el Estado de Israel a una zona urbana densamente poblada por civiles”, añade Sfard.

Um grupo de soldados israelenses que participou da ofensiva na Faixa de Gaza, em janeiro, afirmou que abusos frequentes, alguns que poderiam ser classificados como “crimes de guerra”, foram cometidos contra civis durante o confronto com militantes do grupo palestino Hamas.

As declarações anônimas dos mais de 25 soldados foram feitas à organização Breaking the Silence(Quebrando o Silêncio), uma instituição de veteranos israelenses contra abusos no Exército.

Em um relatório divulgado pela organização a partir dos relatos, os soldados descrevem que as regras de conduta “permissivas” do Exército não distinguiam civis e combatentes e resultaram em um “golpe massivo e sem precedentes” contra os civis em Gaza.

Segundo os relatos, as mortes de israelenses deveriam ser prevenidas, mesmo que à custa de vidas palestinas.


Assassinatos de crianças e vandalismo em Gaza. Resultados da guerra.

22 março, 2009

Como tenho dito, todo a solução da paz nesta região depende principalmente de Israel tomar uma posição, repor perdas irreparáveis e vencer seus preconceitos. Noticio a denuncia de que soldados de Israel mataram crianças e mulheres porque podiam e porque cultivavam o ódio pelos palestinos. As autoridades do exército eram omissão e coniventes com tudo isso. Vamos ler e esperar os resultados. ONU deve se pronunciar claramente e as cortes intenacionais também.

Antes vejam as camisetas que os soldados gostam de usar. Blog do Mello:

 

Camiseta de soldado israelense: 1 shot 2 kill

Esta é uma das camisetas usadas por jovens soldados da IDF (Israel Defense Forces). Há outros modelitos, que você pode conferir na reportagem Dead Palestinian babies and bombed mosques – IDF fashion 2009.

A denúncia não é de nenhuma publicação antissionista, antissemita ou anti-Israel. Está no Haaretz, principal jornal de Israel.

Agora as reportagens:

Os soldados israelenses que lutaram durante os 22 dias da recente ofensiva contra o movimento islâmico radical Hamas, na faixa de Gaza, admitiram que mataram civis [ao menos 900, segundo números do ministério palestino] que não representavam ameaça às tropas e destruíram intencionalmente suas propriedades, “simplesmente porque podiam”. As declarações foram divulgadas em reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal israelense “Haaretz”.

As confissões chocam pela franqueza. “A atmosfera em geral, não sei como descrever. As vidas de palestinos, digamos que são menos importantes que as de nossos soldados”, diz um dos trechos da declaração de um chefe de pelotão que atuou em Gaza, ao justificar a morte de uma palestina e seus dois filhos, mortos por um atirador de elite israelense. “Porque, depois de tudo, fez seu trabalho segundo as ordens que lhe foram dadas. […] Assim, se eles estão preocupados, podem justificar desta forma”, completa.

O jornal publicou trechos de declarações de militares que lutaram durante a operação em Gaza realizada entre 27 de dezembro e 18 de janeiro deste ano e que deixou ao menos 1.300 mortos, entre eles ao menos 900 civis, além de destruir milhares de casas e a infraestrutura do território palestino.

(…)

Não há lógica

Segundo o jornal, o chefe do pelotão conta ainda que foi conversar com seu comandante sobre as regras da operação que permitiam que os militares “checassem” as casas à procura de militantes palestinos com armas na mão e atirando sem nem ao menos avisar os moradores com antecedência.

Depois que as regras foram mudadas, afirma o jornal, o líder do pelotão reclamou que eles “deveriam matar todo mundo em Gaza”. “Todo mundo é terrorista”, explicou.

“Você não tem a impressão dos comandantes de que há qualquer lógica nisso, mas eles não dizem nada. Nós escrevíamos “morte aos árabes” nas paredes, pegávamos as fotos de família deles e cuspíamos nelas, apenas porque podíamos”, conta o chefe do pelotão.

“Eu acho que este é o principal: Entender o quanto as Forças Armadas israelenses caíram no âmbito de ética. Isso é o que eu mais me lembrarei”, disse o soldado.

O chefe do serviço jurídico do Exército israelense, Avichai Mendelblit, ordenou a abertura de uma investigação sobre as circunstâncias dos fatos relatados pelos soldados, que considera “errôneos” e “inaceitáveis” para as Forças Armadas de Israel.

——

E a ONU?

Grupos israelenses de defesa dos direitos humanos pediram nesta sexta-feira uma “investigação independente sobre os crimes de guerra” do Exército de Israel na faixa de Gaza –denunciados por soldados que participaram da recente operação militar no território palestino.

Uma dezena de organizações afirmaram em um comunicado que a decisão do governo de investigar a morte de civis palestinos não garante a objetividade necessária.

“A rejeição do governo de estabelecer uma comissão de investigação independente é uma violação das responsabilidades de Israel frente ao direito internacional”, afirmam as organizações em carta dirigida ao procurador-geral do Estado de Israel, Menahem Mazouz.

Segundo o comunicado, a decisão de abrir uma investigação sobre o ocorrido três semanas depois que os fatos foram publicados pela imprensa, abre margem para questionamentos.

De acordo com depoimentos de soldados que participaram da ofensiva de 27 de dezembro a 18 de janeiro em Gaza, que foram divulgados nesta quinta-feira (19), soldados israelenses mataram civis palestinos indefesos.

Segundo um balanço das fontes médicas palestinas, a ofensiva israelense contra o Hamas na faixa de Gaza provocou a morte de 1.330 palestinos e feriu 5.000. Entre os mortos estão 437 crianças menores de 16 anos, 110 mulheres e 123 idosos, e 14 médicos e jornalistas.

A operação militar lançada por Israel tinha por objetivo reduzir o mínimo lançamento de foguetes contra seu território por parte dos grupos palestinos insurgentes, como o Hamas. Do lado dos israelenses, o balanço foi de dez militares e três civis mortos, segundo dados oficiais.

Indícios

O relator da ONU (Organização das Nações Unidas) para os territórios palestinos, Richard Falk, afirma que há indícios legais de que Israel cometeu crimes de guerra em sua recente ofensiva em Gaza. O relator pede que um grupo de analistas averigue sua denúncia e afirma que a ação militar israelense em Gaza não estava legalmente justificada e foi potencialmente um crime de guerra.

Reprodução
O relator da ONU, Richard Falk, afirma que há indícios legais de que Israel cometeu crimes de guerra em sua recente ofensiva em Gaza
O relator da ONU, Richard Falk, afirma que há indícios legais de que Israel cometeu crimes de guerra em sua recente ofensiva em Gaza

Na conclusão de seu relatório ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, que apresentará na segunda-feira (23), Falk propõe uma investigação por “três ou mais respeitados especialistas em leis internacionais de direitos humanos e lei criminal internacional”, acrescentando que devem ser examinados igualmente os lançamentos de foguetes pelo Hamas.

Segundo Falk, se não é possível distinguir entre os alvos militares e os civis, como define as condições de Gaza, “então lançar os ataques é inerentemente ilegal e poderia constituir um crime de guerra da maior magnitude sob a lei internacional”. Seu relatório afirma que “os ataques se dirigiram a áreas densamente povoadas, […] sendo previsível que hospitais, escolas e igrejas e sedes da ONU fossem atingidos pelos bombardeios israelenses, causando numerosas vítimas civis”.

Um segundo agravante para Falk é o fato de que todas as fronteiras da faixa de Gaza ficaram fechadas, de forma que “os civis não podiam escapar dos locais atacados”. “Em uma política beligerante sem precedentes, Israel rejeitou a permissão a toda a população civil de Gaza -com a exceção de 200 mulheres estrangeiras- de abandonar a área de guerra durante os 22 dias de ataques que começaram em 27 de dezembro”, acrescenta.


BBC se nega a divulgar apelo humanitário por Gaza

24 janeiro, 2009

 

Deu no Anais Políticos:

Será que para ser imparcial deveria haver um apelo humanitário por Israel para auxiliar os seus 13 mortos? Será que agora não se poderá mais divulgar apelos humanitários, pois são parciais em favor de ricos, europeus do oeste ou humanos do norte? Pior ainda, uma reportagens sobre Gaza pode até ajudar, mas saber como entrar em contato com as ONG’s e agências humanitárias auxiliam muito mais. QUE TRISTE EXEMPLO. Como diria Boris: isso é uma vergonha!

Vejam:

A BBC era um baluarnte da honestidade jornalística, mas pessoas do mundo todo notaram que durante a passagem de Bush no poder, durante um certo tempo tudo passou a ser relativizado.

Vejam notícia:

“Neste sábado, o governo britânico pediu à BBC que mude de idéia quanto à recusa em transmitir um apelo por ajuda humanitária a vítimas da guerra em Gaza.A BBC disse que a transmissão do apelo do Comitê de Desastres Emergenciais (DEC, na sigla em inglês), uma coalizão de 13 agências humanitárias, comprometeria a imparcialidade de sua cobertura.

“A coisa mais importante que podemos fazer pelas pessoas que estão sofrendo é continuar a fazer reportagens. E nós temos feito um trabalho exemplar, reportando o sofrimento das pessoas de Gaza”, afirmou Caroline Thomson, chefe de operações da BBC.

“Se perdermos a confiança do público porque parecemos apoiar um lado em vez do outro, então teremos prejudicado as próprias instituições de caridade, assim como todas as outras partes envolvidas”.

A transmissora Sky assumiu a mesma posição ao pronunciar-se sobre o apelo do governo britânico. Já a ITV informou que irá levar o apelo ao ar. Mas a BBC chamou mais a atenção do que as outras, pois trata-se de uma rede pública.

Douglas Alexander, secretário de Desenvolvimento Internacional, disse que o público britânico sabe distinguir o apoio à ajuda humanitária da cobertura parcial sobre o conflito.

“Diante do tamanho do sofrimento das pessoas em Gaza neste momento, eu realmente não consigo ver credibilidade neste tipo de argumento”, disse.

A BBC alegou que o acesso das organizações humanitárias a Gaza está restrito de qualquer maneira. Mas Alexander diz que voluntários e suprimentos conseguiram chegar à Faixa de Gaza na sexta-feira.

“Não acho que o acesso limitado seja uma justificativa adequada para não transmitir um apelo para que tentemos lidar com uma situação humanitária que ainda é terrível”, disse Alexander à rádio BBC.

Políticos e grupos humanitários escreveram à BBC para tentar convencê-la a rever sua decisão. Centenas de pessoas também fizeram uma manifestação diante de uma das sedes da BBC Londres.

Durante a ofensiva israelense na Faixa de Gaza, que durou 22 dias, cerca de 1,3 mil palestinos foram mortos e mais de 5 mil ficaram feridos. Do lado israelense, 13 pessoas morreram. Israel afirmou que a ofensiva tinha o objetivo impedir que o Hamas continuasse a lançar foguetes em seu território”


Guerra em Gaza – trágico final em números

19 janeiro, 2009

Hoje no jornal Folha de São Paulo saiu alguns números sobre a guerra em Gaza:

18 meses de bloqueia territorial que racionou a entrada de alimentos, remédios, combustível entre outros produtos vitais.

Com o cessar-fogo, após 22 dias de bombadeios, afirma-se que:

1,5 mil fábricas, lojas, oficinas e outras instalações foram destruídas;;

16 ministérios destruídos;

20 mesquitas destruídas;

31 quartéis destuídos;

25 escolas e hospitais destruídos;

4,1 mil casas destruídas;

17 mil casas danificadas;

1.300 palestinos mortos, maioria civil,  incluindo 410 crianças e 108 mulheres;

5,3 mil feridos;

50 mil desabrigados;

1,4 bilhões de dolares é o prejuízo total, foraas vidas incalculáveis;

13 israelenses mortos!

Serão estes os objetivos de Israel ao fazer esta guerra? Eles começaram, veja aqui, e que agora  terminaram unilareralmente. esta cada vez mais clara que Israel faz o que quiser com este povo e este território. A desproporção e assimetria é latente e o pior é que a comunidade internacional aceita todos os rompantes despóticos deste estado. Será isso adequado para o equilibrio político global?

Esse tipo de ação tem por objetivo destruir qualquer capacidade dos palestinos de se desenvolveram seja como nação ou como estado. Trata-se de cortar as pernas daquele que busca se levantar. É esse tipo de ação que se deseja fazer, mantendo um povo submisso e com o tempo conseguindo tomar todo o seu território. Até quando isso ocorrerá?


ONU acusa Israel de ataque com bomba químic

15 janeiro, 2009

Agora é a ONU que assume o uso de armas químicas por Israel em Gaza.

O porta-voz da missão humanitária da ONU na Faixa de Gaza, Chris Gunness, acusou Israel de ter atacado o QG da Agência de Assistência das Nações Unidas (UNRWA) com bombas de fósforo branco, que causam graves queimaduras na pele. Gunness contou que o prédio abrigava civis refugiados do conflito e mantimentos dos carregamentos de ajuda humanitária.

– Não se pode apagar incêndio causado por fósforo branco com extintores comuns. Precisamos de areia e não temos areia – disse.

O jornal britânico The Times coletou evidências de que Israel tem usado bombas de fósforo branco nos ataques contra alvos do Hamas em Gaza. Um cartucho caído do céu foi encontrado com a inscrição M825A1 foi encontrado na vila de Sheikh Ajilin. Além disso, dezenas de civis feridos nos bombardeios dão entrada no hospital com queimaduras químicas na pele. E há relatos de pessoas que queimam os pés ao andar pelo solo de locais próximos às ofensivas aéreas. A substância queima a altas temperaturas.

A Convenção de Genebra, de 1980, proíbe o uso de fósforo branco em áreas civis, mas permite que o Exército faça uma “cortina de fumaça” com ela.

As Forças Armadas israelenses negam o uso de fósforo em Gaza. Afirmam que todas as armas de combate “estão de acordo com a lei internacional”


Todos os fatos omitidos pela mídia/governos para benefício de Israel

14 janeiro, 2009

Em Artigo traduzido pelo blog Vi o Mundo traz diversos fatos que mídia e governos, esquecem, omitem e negligenciam. São pressupostos que devem estar na mesa, na opinião pública, e deve formar uma pauta de entendimentos sobre esta questão, a qual muito superficialmente é colocada neste blog pelo post: Comentários a Guerra de Gaza. Veja artigo de Norman Finkelstein:

Os registros existem e são muito claros. Qualquer pessoa encontra na internet, na página do governo de Israel e, também, na página do ministério de Negócios Exteriores de Israel. Israel desrespeitou o cessar-fogo, invadiu Gaza e matou seis ou sete (há controvérsia quanto ao número de assassinados, não quanto ao crime de assassinato) militantes palestinenses, dia 4/11. Depois, o Hamás respondeu ou, como se lê nas páginas do governo de Israel “o Hamás retaliou contra Israel e lançou mísseis.”

Quanto aos motivos, os documentos oficiais também são claros. O jornal Haaretz já informou que Barak, ministro da Defesa de Israel, começou a planejar o massacre de Gaza muito antes, até, de haver acordo de cessar-fogo. De fato, conforme o Haaretz de ontem, a chacina de Gaza começou a ser planejada em março.

Quanto às principais razões do massacre, acho, há duas. Número um: restaurar o que Israel chama de “capacidade de contenção do exército” e que, em linguagem de leigo, significa a capacidade de Israel para semear pânico e morte em toda a região e submetê-la mediante a pressão das armas, da chantagem, do medo. Depois de ter sido derrotado no Líbano em julho de 2006, o exército de Israel entendeu que seria importante comunicar ao mundo que Israel ainda é capaz de assassinar, matar, mutilar e aterrorizar quem se atreva a desafiar seu poder pressuposto absoluto, acima de qualquer lei.

A segunda razão pela qual Israel atacou Gaza é culpa do Hamás: o Hamás começou a dar sinais muito claros de que deseja construir um novo acordo diplomático a respeito das fronteiras demarcadas desde junho de 1967 e jamais respeitadas por Israel.

Em outras palavras, o Hamás sinalizou que está interessado em fazer respeitar exatamente os mesmos termos e conceitos que toda a comunidade internacional respeita e que, em vez de resolver os problemas a canhão e com campanhas de mentiras por jornais e televisão, estaria interessado em construir um acordo diplomático.

Aconteceu aí o que Israel poderia designar como “uma ameaçadora ofensiva de paz chefiada pelos palestinenses”. Imediatamente, para destroçar a ofensiva de paz, o governo e o exército de Israel desencadearam campanha furiosa para destroçar o Hamás.

A revista Vanity Fair publicou, em abril de 2008, em artigo assinado por David Rose, baseado, por sua vez em documentos internos dos EUA, que os EUA estavam em contato estreito com a Autoridade Palestinense e o governo de Israel, organizando um golpe para derrubar o governo eleito do Hamás, e que o Hamás conseguira abortar o golpe. Isso não é objeto de discussão: esse fato é estabelecido, documentado e há provas.

A questão passou a ser, então, impedir o Hamás de governar, e ninguém governa sob bloqueio absoluto, bloqueio que desmantelou toda a atividade econômica em Gaza. Ah! Vale lembrar: o bloqueio começou antes de o Hamás chegar ao poder (eleito!). O bloqueio nada tem ou jamais teve a ver com o Hamás. Quanto ao bloqueio, os EUA despacharam gente para lá, James Wolfensohn especificamente, para tentar pôr fim ao bloqueio, depois de Israel ter invadido Gaza.

O xis da questão é que Israel não quer que Gaza progrida, sequer quer que viva, e Israel não quer ver nenhum conflito encaminhado por vias diplomáticas, que tanto os líderes do Hamás em Damasco, quanto os líderes do Hamás em Gaza têm repetidas vezes declarado que buscam, sempre com vistas a resolver o conflito relacionado às fronteiras demarcadas em 1967, fronteiras que Israel jamais respeitou. Tudo, até aí, são fatos registrados e comprovados. Não há qualquer ambigüidade: tudo é bem claro.

Todos os anos, a Assembleia da ONU vota uma resolução intitulada “Solução pacífica para a questão da Palestina”. E todos os anos o resultado é o mesmo: o mundo inteiro de um lado; Israel, EUA, alguns atóis dos mares do sul e a Austrália, no lado oposto. Ano passado, o resultado da votação foi 164 a 7. Todos os anos, desde 1989 (em 1989, o resultado foi 151 a 3), é sempre a mesma coisa: o mundo a favor de uma solução pacífica para a questão da Palestina; e EUA, Israel e a ilha-Estado de Dominica, contra.

A Liga Árabe, todos os 22 Estados-membros da Liga Árabe, são favoráveis a uma chamada “Solução dos Dois Estados”, com as fronteiras determinadas em junho de 1967. A Autoridade Palestinense é favorável à mesma “Solução dos Dois Estados” e às mesmas fronteiras determinadas em junho de 1967. E o Hamás também é favorável à mesma “Solução dos Dois Estados” e às mesmas fronteiras demarcadas em junho de 1967. O problema é Israel, patrocinado pelos EUA. Esse é o problema.

Bem… Há provas de que o Hamás desejava manter o cessar-fogo; exigiu, como única condição, que Israel levantasse o bloqueio de Gaza. Muito antes de começarem os rojões do Hamás, os palestinenses já enfrentavam terrível crise humanitária, por causa do bloqueio. A ex-Alta Comissária para Direitos Humanos da ONU, Mary Robinson, descreveu o cenário que testemunhou em Gaza como “destruição de uma civilização”. Isso, durante o cessar-fogo.

O que se vê nos fatos? Os fatos mostram que nos últimos mais de vinte e tantos anos, toda a comunidade internacional procura um modo de resolver o conflito das fronteiras de 1967, com solução justa para a questão dos refugiados. Será que 164 Estados-membros da ONU estão sempre errados, e certos e pacificistas seriam só EUA, Israel, Nauru, Palau, Micronésia, as ilhas Marshall e a Austrália? Quem é pacifista? Quem trabalha contra a paz?

Há registros e documentos que comprovam que, em todas as questões cruciais discutidas em Camp David; depois, nos parâmetros de Clinton; depois, em Taba, em cada ponto discutido, os palestinenses sempre fizeram concessões. Israel jamais concedeu qualquer coisa. Nada. Os palestinenses repetidas vezes manifestaram decisão de superar a questão das fronteiras de 1967 em estrito respeito à lei internacional.

A lei também é claríssima. Em julho de 2004, a Corte Internacional de Justiça, órgão máximo da ONU para questões de direito internacional, declarou que Israel não tem direito de ocupar nem um metro quadrado da Cisjordânia nem um metro quadrado de Gaza. Israel tampouco tem qualquer direito sobre Jerusalém. O setor Leste de Jerusalém, os bairros árabes, nos termos da decisão da mais alta corte de justiça do planeta, são território da Palestina ocupado ilegalmente por Israel. Também nos termos de decisão da mais alta corte de justiça do planeta, nos termos da lei internacional, todas as colônias de judeus que há na Cisjordânia são ilegais.

O ponto mais importante de tudo isso é que, em todas as ocasiões em que se discutiram essas questões, os palestinenses sempre aceitaram fazer concessões. Fizeram todas as concessões. Israel jamais fez qualquer concessão.

O que tem de acontecer é bem claro. Número um, EUA e Israel têm de se aproximar do consenso da comunidade internacional e têm de respeitar a lei internacional. Não me parece que trivializar a lei internacional seja pequeno crime ou pequeno problema. Se Israel contraria o que dispõe a lei internacional, Israel tem de ser acusada, processada e julgada em tribunais competentes, como qualquer outro Estado, no mundo.

O presidente Obama tem de considerar o que pensa o povo dos EUA. Tem de ser capaz de dizer, com todas as letras, onde está o principal obstáculo para que se chegue a uma solução para a questão da Palestina. O obstáculo não são os palestinenses. O obstáculo é Israel, sempre apoiada pelo governo dos EUA, que, ambos, desrespeitam a lei internacional e contrariam o voto de toda a comunidade internacional.

Hoje, o principal desafio que todos os norte-americanos temos de superar é conseguir ver a verdade, por trás das mentiras.