ASPOL virá objeto descartável na mão do Governo

10 novembro, 2009

A ASPOL está sentindo na pele e de forma muito clara, como é ser um objeto descartável, um objeto de conveniências. Será que eles lembram que o Sistema Correio também os abandonou?! O correio só fala na quantidade de processos acumulados e notinhas escondidas no jornal. Pois é… Só o tempo para mostrar com as coisas políticas funcionam na Paraíba.

Aliás isso não ocorre apenas em relação a polícia. As propagandas que o Governo está soltando no ar transformaram as obras de Cássio em obras que estão trazendo a reconstrução da Paraíba. Sei que Maranhão tem que fazer seu jogo político, mas está ultrapassando alguns limites do aceitável, chega a ser cinismo. Dizem que estão tocando a obra do Clementino… faz tempo que esta obra está sendo tocada, eles só estão continuando e se apropriando como se ela tivesse começado agora.

Pois bem, os policiais que antes tinham todo o direito e estavam certos em suas reivindicações viraram agora aquele grupo de pessoas inflexíveis que querem tornar a segurança um caos. Vejam as declarações de Flávio Moreira da ASPOL.

“Ano passado os deputados estavam conosco em nosso movimento, subindo em carros de som e dizendo que o governo era um caos. Mas após mudança de governo, ninguém mais fala nada”, reclamou o presidente da Associação dos Policiais Civis da Paraíba (Aspol), Flávio Moreira, em participação no programa Paraíba Agora, da 101 FM.

Segundo ele, os deputados Trócolli Jr. e Gervázio Filho (ambos do PMDB), a quem chamou de amigos, participavam ativamente dos protestos feitos pelos policiais até o fim do ano passado. No entanto, com a cassação do cargo de Cássio Cunha Lima (PSDB) e o encaminhamento de José Maranhão (PMDB) ao governo do Estado, os deputados, antes de oposição, desistiram de apoiar o movimento grevista.

“Antes, eles acreditavam que a segurança no Estado estava um caos e cobravam do então governador uma solução. Mas será que só porque mudou o governo a segurança deixou de precisar de ajuda?”, questionou.

Flávio disse ainda que o movimento já “flexibilizou” demais. “Estamos esperando há 8 meses, pediram que esperássemos até 2009, depois disseram que resolveriam em 2010. Agora estão querendo lançar as modificações para 2011. Nós aceitamos, mas a proposta deve suprir nossas necessidades”.

Anúncios

Eleições 2010: o movimento político na Paraíba

17 outubro, 2009

As conversas, táticas, discursos e ações para formular alianças políticas com vistas a 2010 já estão a solta e algumas coisas já estão ficando claras. Vamos aqui para algumas curtas do blog sobre 2010!

—-

Ricardo Coutinho agora é o candidato sem mídia, isso ocorre desde que sua postura de candidato a governo está cada vez mais firme. Recebeu esta semana um prêmio institucional pela preservação do patrimônio histórico em Brasília, mas não teve a devida repercussão na mídia local, pelo contrário preferiram pinçar fatos negativos da cidade no noticiário.

Policiais civis e delegados entram em greve na próxima semana e o maior jornal impresso do Estado, o Jornal Correio, não noticia na capa e ainda esconde a notícia dentro do jornal. Se fosse na época de Cássio….

José Maranhão tenta forçar os partidos do PT, PCdoB e PSB a aceitarem sua candidatura para 2010 (continuando com a aliança) atuando a partir da cúpula dos partidos. Esquece o governador que diferente dos outros partidos, estes tem consultas internas e não se submetem a decisões de “gabinete”. É a adaptação a nova política…

—-

Ações como essas são apenas uma das várias que o PMDB está fazendo por baixo dos panos para minar a candidatura de Ricardo. Há plano de prejudicar sua bancada na Câmara de Vereadores, há plano de reforçar críticas a prefeitura na mídia e há planos para esvaziar suas alianças.

—-

Desde de quando a aliança PT/PMDB/PSB já tinha seu candidato para 2010 definido? Desde quando Maranhão é o candidato da aliança? Essas perguntas são relevantes, pois quando se fala que o PSB rompeu com o PMDB pressupõe que Ricardo não aceita a candidatura de Maranhão ao governo em 2010. Os dois tem legitimidade para propor suas candidatura para o Governo.

—-

O Governo Maranhão está abandonando a segurança pública a sua própria sorte. Ele não deve repetir o erro de Cássio, é o que se espera. Policiais e delegados estão em greve e o governo mostra que está “nem aí” para o fato. Por outro lado, o número de assaltos a ônibus e a carros (muitos deles por usuários de crack, que fazem para pagar dívidas ou alimentar o vício) cresce e o número de mortes por encomenda também. Será que uma greve deve ser tratada assim, e logo nesse momento?

Manuel Júnior insiste em afirmar que saiu do PSB por causa da paquera de Cássio com Ricardo. Mas pelo visto, ele não queria mesmo era apoiar a candidatura de Ricardo para o Governo e ainda ter que deixar de lado o palanque de Maranhão.

Ruy Carneiro achar que quem critica o governo é oposição. Essa definição é tão vazia quanto autoritária. Quer dizer que quando Cássio critica Cícero, afirmando que ele não tem densidade política, ele passar a ser oposição. Essa visão visa afirmar que a Paraíba se resume a PMDB e PSDB, a Maranhão e Cássio.

O blog está há um mês com uma pesquisa no ar. Pergunta-se: Caso Ricardo Coutinho se alie a Cássio Cunha Lima você votaria nele para governador? O resultado está 69% sim e 24% não. Esse padrão se mantém desde de o início. Vote você também.

Hoje sai a primeira pesquisa da Tv Cabo branco para o Governo em 2010.

A pesquisa saiu. Empate técnico entre Ricardo e Maranhão (38% e 37% respectivamente), mas Ricardo ganha no segundo turno por 47% contra 41%. Pelo jeito a situação de Ricardo não se complicou como disse Ciro Gomes. A pesquisa foi realizada após os resultados da troca trocade partidos.