Os dilemas de Obama e da América Latina

13 agosto, 2009

Em anos recentes a América Latina vem tendo postura ativa na defesa da sua auto determinação em termos políticos. Neste pauta está o fim das intervenções dos EUA nos países latinos. Com certeza é um grande ganhos. Mas as amarras de outrora ainda se fazem presentes e a força dos EUA ainda é requisitada.

Aí está a contradição ou paradoxo desse processo de autonomia. Obama parece que identificou bem tais situação em que se meteu. Ele aceita a autodeterminação dos latinos, pela menos no discuros, o que é relevante. MAs o latinos como filhos que acabaram de sair da casa da mãe pedem um auxiliozinho aos tutores. Este texto fala deste contexto e de como trabalhar essa questão para o bem e futuro da nossa autodeterminação:

Dois temas inquietam os governos latino-americanos. A ditadura hondurenha e o acordo dos Estados Unidos com a Colômbia para usar sete bases americanas desse país. Segundo o correspondente da agencia espanhola EFE, Obama abordou os temas com um meio sorriso. Fez isso parafraseando a memorável frase do grupo de new wave inglês The Clash, a da famosa canção dedicada às relações entre Estados Unidos e América Latina.

Should I stay or should I go? (Devo ficar ou devo ir?)

Obama não usou essas palavras. Disse com mais diplomacia, “alguns dos que têm criticado a ingerência dos Estados Unidos na América Latina se queixam agora de que não está havendo ingerência suficiente”.
Não usou a frase, mas disse o que milhões de estadunidenses pensam quando escutam as queixas, denúncias e insultos, mesclados com demandas, pedidos e súplicas, dos governos e dos povos latino-americanos. Should I stay or should I go?

Dois temas internacionais preocuparam nesta semana aos presidentes sul-americanos. Um unifica, o outro divide.

O que unifica é o golpe em Honduras. Neste tema, a América do Sul tem se comportado como um bloco coeso. Mas o consenso geral é que o tema os supera e que apenas os Estados Unidos pode destravar a situação.

Os Estados Unidos condenou o golpe em Honduras, cortou ajuda militar e dos organismos multilaterais que controla, retirou os diplomatas golpistas da embaixada de Washington e rapidamente credenciou os novos enviados de Zelaya, cancelou os vistos dos principais responsáveis pelo golpe e convenceu um grupo de importantes altos oficiais hondurenhos para que se pronunciasse contra o golpe e a favor de uma solução que contempla a volta de Zelaya.

Os presidentes da América do Sul querem que se faça mais. Ao declarar formalmente que houve “golpe de Estado”, como muitos exigem, por lei, deve retirar o seu embaixador de Tegucigalpa. Mas, os mesmos diplomatas zelayistas que estão em Washington explicaram ao Página/12 que eles não querem que os Estados Unidos retire o seu embaixador, Hugo Llorens, porque Llorens, com seus contatos, é o único capaz de destravar a negociação com os golpistas em favor da volta de Zelaya.

Should I stay or should I go?

O tema que divide a região é o acordo das bases colombianas.

Continue lendo AQUI.

Anúncios

Reduto moral e político do mundo? EUA divulgam documentos de tortura

17 abril, 2009

São procedimentos realizados em pleno início do século XXI por uma das maiores potências do mundo…. Todos sabiam, ninguém tinha corragem de noticiar com o devido destaque e apenas instituições de direitos humanos, muitas delas relegadas por serem “reclamonas” não eram devidamente ouvidas.

E a mídia, a mídia se calou diante disto…. que não é algo do passado mas sim do presente. Havia que vir uma novo presidente com capacidade de acabar com tudo isso e mostra para todos que isso não pode continuar. E como em compasso de espera todos AGORA elogiam e opoiam as novas iniciativas… quanta contradição.

E agora será que podemos falar em avanços continuos sem retrocessos? Pelo que se pode bem ver, vivemos um mundo de avanços e retrocessos, de rupturas e nostalgia… enfim é a realidade construída diariamente.

O que ocorre hoje que, a exemplo dessas torturas, podemos evitar e fazer a diferença? Sem apelar para argumentos vários e labirintos lógicos pensemos bem nisto! Alguns aspectos da questão palestina por exemplo… e no Brasil?

presidents_usa

Reportagem:

O governo americano divulgou nesta quinta-feira quatro documentos secretos – com partes censuradas – escritos por funcionarios do governo George W. Bush para justificar os métodos usados pela CIA para interrogar prisioneiros, considerados tortura por grupos de direitos humanos.

Os registros serviram de base jurídica para as práticas controvertidas da administração Bush em matéria de luta contra o terrorismo. Em comunicado divulgado pela Casa Branca, o presidente Barack Obama disse que os métodos do governo Bush depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 não fizeram bem aos Estados Unidos. “Debilitaram nossa autoridade moral e não nos tornaram mais seguros”, afirmou. Os quatro documentos foram redigidos por Jay Bybee e Steven Bradbury, advogados do departamento de Justiça durante o governo Bush – encarregados de dar um teor legal ao programa de interrogatórios dos detidos durante a “guerra contra o terrorismo”.

Tais interrogatórios incluíam técnicas amplamente consideradas como tortura, como o caso do “afogamento”. Os textos publicados incluem uma larga lista das técnicas praticadas nos prisioneiros. Mencionam, por exemplo, a obrigação de deixá-los nus, golpeá-los no rosto e no abdômen, impedi-los de dormir, submetê-los a “posições estressantes” e manipular sua alimentação, o que – segundo os funcionários que os redigiram – não podiam ser considerados tortura. Segundo o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, a publicação foi decidida com base em resolução tomada por um tribunal da Califórnia (oeste dos EUA).

Os memorandos podem mostrar, por exemplo, que a administração de George W. Bush previu uma argumentação jurídica para que os detentos de Guantánamo não se beneficiem das Convenções de Genebra, ou que alguns métodos de interrogatório não possam ser comparados à tortura. O presidente dos Estados Unidos garantiu, no entanto, nesta quinta-feira que os agentes da CIA que recorreram, por orientação da agência, a essas práticas de interrogatório não serão perseguidos judicialmente. Obama também anunciou que divulgava os documentos para evitar “um relato inexato do passado”, que “alimentaria suposições errôneas e exaltadas sobre ações tomadas pelos Estados Unidos”.

Obama ressaltou que, no entanto, os interrogadores não seriam processados. “Ao revelar estes documentos, é nossa intenção dar segurança àqueles que executaram as suas tarefas confiando de boa fé no conselho legal do Departamento de Justiça, que não estarão sujeitos a processos”, afirmou. “Os homens e mulheres de nossa comunidade de inteligência servem com coragem na primeira linha de nosso perigoso mundo”, ressaltou o presidente.

“Devemos proteger suas identidades de maneira atenta, assim como eles protegem nossa segurança, e devemos dar a eles a certeza de que podem fazer o seu trabalho”. Dois dias depois de sua posse, Barack Obama havia assinado dois decretos ordenando o fechamento da prisão de Guantánamo e o fim das técnicas de interrogatório controvertidas.

A Human Rights First, organização americana de defesa dos direitos humanos, afirmou num informe de março de 2008 que “a utilização de provas obtidas sob tortura e o tratamento desumano eram onipresentes e sistemáticos” na prisão americana de Guantánamo (Cuba). Em 2004, uma série de fotos nas quais se via prisioneiros submetidos a torturas – muitas delas de teor sexual – por parte de soldados americanos no Iraque gerou um escândalo mundial.