O vírus que destrói a política paraibana

17 agosto, 2010

A estrutura política paraibana é totalmente desgastada e antiquada aos novos tempos de democracia e cultura social. Neste post pretendo mostrar como um conjunto de famílias domina as estruturas de poder do Estado para obtenção de benefícios próprios.

Tem-se aqui um conjunto de famílias de sobrenome famoso como os Cunha Lima, Targino Maranhão, Morais, Paulino, Lucena, Maroja, Motta, Gadelha, Pessoa, Braga, Maia, Vital do Rego, Fernandes entre outras. Cada família tem enorme influência sobre pequenas regiões do Estado, suas influências não obedecem a limites municipais, até porque esses limites são artificiais e escondem a história de regiões e povos. Quando colocamos essas famílias no mapa vemos um Estado loteado, onde não há uma força hegemônica.

Em processos eleitorais majoritários, como para Governo de Estado, essas forças familiares se unem para eleger um candidato aparentemente de maior penetração estadual. Este candidato deve pertencer a alguma destas famílias e/ou deve querer fazer o jogo delas. Em troca do apoio familiar o candidato oferece um pedaço da estrutura de poder do Estado para um representante de cada família, caso venha a ganhar. Assim, eles loteiam o poder político e formal do Estado de direito, formam uma verdadeira associação, uma irmandade. Deste modo, eles continuam na política, obtêm visibilidade, um salário agradável e a possibilidade de inúmeros instrumentos de troca política para aliciar e comprar forças municipais, vereadores, lideres locais e “profissionais” que detêm espaços na mídia.

Assim se monta uma bela estrutura de campanha e de poder. Somando as várias forças elege-se um Governador ou Senador e estes fazem negociações com os candidatos à presidência para obter apoios e verbas.

Este esquema serve apenas para beneficiar seus participantes e para perpetuá-los na política impedindo renovações. Quando surgem forças novas, pois a realidade é incontrolável, elas têm que se aliar com algumas ou muitas famílias. E por muitas vezes se entregam ao esquema de troca de apoios, esquecendo o elemento que lhe dava o ar de renovação: a possibilidade de quebrar tais estruturas ou oferecer rachaduras.

Quando ocupando o poder, o Governador eleito com base nesse esquema de apoios não se relaciona com Prefeitos e sim com os comandantes (antigos coronéis) das famílias que ajudaram a elegê-lo ou com comandantes de famílias opositoras, que precisam se manter vivas na política.

E deste modo, os investimentos, a construção de hospitais, escolas e delegacias, a distribuição de equipamentos hospitalares, de segurança e educação, a melhoria de estradas, a extensão de redes de esgoto e abastecimento, entre outras políticas, não são definidas com base na necessidade de cada região e da população local, mas sim com base no interesse e necessidade de determinada família, que quer dar mais visibilidade a um filho (ou esposa, ou mãe ou tio) que está entrando na política, que deseja atender interesses comerciais da própria família, ou daqueles grandes financiadores da campanha; que deseja esconder algum esquema ilegal com a realização de uma obra ou ação do tipo “tapa buraco”.

Deste modo, o Estado vai se afundando econômica e politicamente. Não se tem uma efetiva distribuição de renda, pois apenas aqueles que podem entrar ou participar do esquema político possui os benefícios, formando a casta da elite paraibana. Os demais contaram(ão) com a sorte, a criatividade, os estudos ou os concursos públicos para vencer na vida.

O grande elemento sustentador deste processo está na forma como estas famílias ganham a simpatia e as cabeças dos eleitores. Como são comandantes locais, eles se relacionam diretamente com as pessoas de sua região, oferecem para eles soluções pontuais para problemas urgentes, como um transporte de ambulância, o pagamento de uma conta, um emprego temporário, a permissão de participar de perto das discussões políticas (do poder), o status de fazer parte do círculo de influência da região, uma viagem urgente para a capital, à resolução de uma briga local, a famosa compra de voto entre outros. Assim, as pessoas vão desenvolvendo um sentimento de ligação, de identificação, de empatia com estas pessoas. Além disto, é difícil questioná-los, pois há sempre o boato de que alguém já foi morto, alguém ficou sem emprego e hoje está na penúria para sustentar sua família. A famosa perseguição, que é difícil enfrentar/suportar.

Em épocas passadas isso era mais cruel, pois os coronéis tinham as armas e a força para obrigar as pessoas a votarem em seus indicados, e ainda podiam conferir se eles votaram efetivamente no que foi pedido. Hoje é mais sutil.

Após se estabelecerem na estrutura política oficial eles vão dispor de maiores instrumentos para a realização de favores, só que desta vez, os favores serão pagos com dinheiro do contribuinte, com nosso dinheiro. Dentro da estrutura política podem-se obter concessões de rádios e direcionar verba publicitária, assim se instalam na imprensa verdadeiros soldados defensores destas famílias. Estando no poder (quer queira, quer não) eles vão construir e fazer algo pela cidade, mas sem nenhum planejamento, sem estratégia e sem colocar a população em primeiro lugar. Como já se disse, as políticas são direcionadas para atender interesses e necessidades da própria família que ocupa o poder.

Esse círculo negativo e nefasto tem que acabar. Isso depende de cada eleitor, que cada cidadão perceba o candidato que pode promover rachaduras ou mesmo modificar tal estrutura. Esquema no qual um conjunto pequeno de pessoas se beneficia do dinheiro de todos, do poder de todos, da inércia de todos, da falta de educação de todos.

Anúncios

O que está ocorrendo com o PT-PB?

11 abril, 2010

Luiz Couto explica:

O que nós verificamos é que o segmento majoritário quer tratorar o minoritário. A ideia de que foi passada de que José Dirceu viria para “enquadrar” os dissidentes, não era real. Ele não veio em nome da executiva e nem do diretório nacional. Ele tem uma posição claríssima, com a qual não concordamos, mas estamos vendo que a maioria aqui presente quer entregar o PT ao governador José Maranhão. É muito triste que estejamos rastejando para indicar o vice, quando o governador diz claramente que não quer. O partido não faz nenhuma defesa do atual vice governador. Se eu fosse o vice, com a indicação do partido e tivesse recebido o carão do governador, eu romperia. Esse pessoal está cheio de cargos, de benesses, de compromissos para deputado federal e estadual. Cada um pensa no seu umbigo, no seu projeto pessoal. Eles não vão romper, não. Maranhão vai dizer que eles já têm mais do que pediram. A fatura já foi paga. Dizer que Maranhão vai apoiar Dilma é o óbvio ululante!


Contraponto na política paraibana

13 março, 2010

Neste início de ano a política na Paraíba está pegando fogo. Há uma verdadeira guerra de torcidas e o bom senso passa longe. O processo está tão crítico que já há acusações de morte e até tentativas de assassinato com possíveis relações políticas. Será verdade?

Por isso, nesse post vamos tentar mostrar um balanço de alguns fatos críticos destes últimos dias.

O caso da Ponto do Boi Morte em Aparecida-PB

Maranhão vem com muita propaganda, mostrando o que fez e até o que não fez na Paraíba. Parece achar que o eleitor-ouvinte é burro. Mas vamos lá. Neste caso, dizem que essa ponte é obra para inglês ver e outros dizem que é pura realidade.

Maranhão garante: ponte do Boi Morto vai ser concluída até junho. Governador avalia projeto, conversa com o povo, concede entrevista e determina agilidade da obra. A ponte sobre o riacho Boi Morto, no município de Aparecida, será entregue em junho deste ano. A garantia foi dada pelo governador José Maranhão durante visita ao local realizada na manhã desta sexta-feira (8), onde concedeu entrevista e conheceu a obra orçada em R$ 1,8 milhão. Ele disse que determinou a aceleração dos serviços, inclusive um desvio para acesso das populações dos municípios de São Francisco e Santa Cruz, que utilizam uma passagem molhada construída após a queda da ponte.

De outra parte, um padre que até pouco tempo andava muito pelos corredores do Sistema Correio vem denunciando a pouca seleridade da obra. Vejamos: O Padre Djaci Brasileiro, da Paróquia de Santa Cruz, denunciava a paralisação das obras da Ponte do Boi Morto, municipio de Aparecida, no programa radiofônico de Ademar Nonato, Em Sousa, indagorinha, quando um ouvinte de Santa Cruz ligou para avisar:

-Padre, o senhor não sabe o que aconteceu faz pouco. Parou um caminhão entupido de operários, todo mundo vestido de azul e usando capacete azul, desceram do caminhão, subiram na ponte, cada um pegou uma marreta e começou a bater. Aí parou uma van, dela desceram uns homens com máquinas de filmar, os homens ficaram filmando os operários baterem com as marretas e, depois de algum tempo, as filmagens pararam, os da Van entraram e foram embora e os das marretas guardaram as marretas, subiram no caminhão e ganharam a estrada”.

O caso da repórter agredida

A jornalista Pollyana Sorrentino, do Sistema Correio, foi agredida na manhã desta quinta-feira (11) por um vigilante do Posto de Saúde da Família (PSF) do bairro do Geisel, em João Pessoa, no momento em que tentava fotografar um imenso formigueiro que domina o terreno onde foi construído o prédio da unidade.

Repórter da Correio Sat, Pollyana acabara de fazer uma participação ao vivo no Programa Correio da Manhã (98 FM) quando foi surpreendida por um guarda, identificado até aqui apenas pelo prenome de Joel. Ele saiu do interior do PSF, agarrou a mão da jornalista e apertou até fazê-la soltar o celular com o qual fotografava o formigueiro.

O vigilante ‘confiscou’ o aparelho e somente o devolveu a Pollyana minutos depois, atendendo a pedidos de outros funcionários do PSF e de moradores do bairro que presenciaram a agressão. Dois desses moradores acompanhavam o trabalho de Pollyana quando ela foi abordada por Joel. Foram eles os autores do convite para a repórter constatar pessoalmente e narrar aos ouvintes do Correio da Manhã as deficiências do PSF do Geisel.

Chamada por populares, uma viatura da Polícia Militar foi até o local e deteve o vigilante, que não é dos quadros da PMJP. Também não é empregado de qualquer empresa regular de vigilância. Trata-se de um prestador de serviço, segundo apurou a produção de jornalismo da Correio Sat.

E aí e que resultou:

O laudo emitido nesta sexta-feira (12) pelo Instituto de Polícia Científica da Paraíba confirma que não houve agressão alguma à repórter do programa Correio da Manhã, do Sistema Correio de Comunicação no PSF do Geisel.

O exame de corpo de delito foi realizado ontem mesmo, em caráter de urgência e a pedido do delegado Paulo Martins, da 4ª Delegacia Distrital. Assinado pela perita Vilani Maia de Macedo Costa, o exame diz claramente que “constatou-se que a examinada não apresentou lesões no momento do exame”.

O delegado Paulo Martins, que preside o caso, disse, no termo circunstanciado, que a repórter “sem a devida permissão adentrou o imóvel, apesar de ser público, e tentava averiguar as condições de funcionamento do PSF. Mesmo sendo jornalista-radialista, teria que pelo menos respeitar o pedido de um simples funcionário que orientou em procurar a Direção ou com a Secretaria de saúde, para colher as informações necessárias ao esclarecimento da sua reportagem, muito embora a Imprensa tenha o seu espaço livre, deveria também respeitar o espaço dos outros”. Veja o arquivo em anexo.

O caso Efraim Morais

Saiu no Jornal Estado de São Paulo, que apesar de qualidades duvidosas tem grande circulação e aparição. Disputa das vagas de senador pela Paraíba é liderada por dois políticos considerados “ficha-suja”: o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e seu aliado, o senador Efraim Morais (DEM). Segundo pesquisa de intenção de voto contratada pelo jornal Correio da Paraíba ao Instituto Consult, do Rio Grande do Norte, Cunha Lima tem 38,7%, das intenções de voto para senador, seguido de Efraim Morais, com 17,45%. A pesquisa foi divulgada na última quinta-feira. Em terceiro lugar, está o prefeito de Campina Grande (a segunda maior cidade do Estado), Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), com 11,80%.

Efraim com ironia e cinismo afirmou seu contraponto: Diante das denúncias reavivadas, uma delas publicada no Jornal Estado de São Paulo deste sábado, o senador reafirmou um desafiou que já havia feito em outras épocas: “Além de mim, quem pode tirar Certidão Negativa na Justiça?” Vale destacar que a matéria do Estadão é assinada por jornalista que atua no Correio da Paraíba e é correspondente do matutino paulista.

Efraim, que se diz inocente de todas as acusações, diz que não há sequer processo formalizado . “Devo realmente ter apresentado um bom desempenho para que mirem em mim”, declarou.

O senador tem muito o que explicar para a justiça, agora é aguardar.

O caso Nivaldo Manoel

O deputado estadual Nivaldo Manoel (PMDB), que está perto de perder mandato para o PPS por infidelidade partidária, exagerou nesta sexta ao tentar explicar, em entrevista à101 FM, porque deixou a legenda sem comunicar as lideranças do partido. Ele disse claramente que tinha medo de que o atual presidente da legenda, José Bernadino, que é chefe da Guarda Municipal, pudesse lhe matar. “Bernadino é muito arrogante, temperamental, violento, e confesso que tinha medo, temor de que ele partisse para uma agressão maior e me matasse, desse um tiro em mim!”, disse o deputado.

O possível agressor respondeu, não à bala:

Um dia depois de ter sido acusado de tentativa de agressão física contra o deputado estadual Nivaldo Manoel (PMDB), o presidente do PPS, José Bernardino da Silva conversou com o Parlamentopb e negou que seja verdadeiro o relato do parlamentar: “Estou com minha consciência tranquila. Aos 49 anos de vida, nunca fui a uma delegacia e nem nunca fui acusado de agressão por ninguém. Desafio qualquer um a provar o contrário. Nivaldo quer jogar meu nome na lama por causa da ação do PPS que pede o mandato dele. Ele confunde meu papel como presidente do partido com uma motivação pessoal, que não existe”, disse o dirigente.

Mas, a principal queixa de Bernardino em relação à participação de Nivaldo Manoel, ontem, no programa Paraíba Agora, foi a insinuação de que poderia ter atentado contra a vida do deputado evangélico: “Eu estou pensando em processá-lo por calúnia, injúria e difamação. Ele quer me responsabilizar porque sabe que vai perder o mandato e eu temo que as pessoas ligadas a ele, como assessores e amigos, possam acreditar que o responsável pela perda do mandato sou eu. E o único responsável é o próprio Nivaldo, que conhecia a lei e mesmo assim deixou o PPS sem ter justa causa. Ele confundiu perseguição com desentendimentos pessoais. Ele nunca foi perseguido. Não existe advertência nem nenhuma sanção imposta pelo partido a ele. O castigo maior para isso tudo será dado na segunda-feira, no TRE, quando ele perder o mandato”, previu.


As idas e vindas da política – O jogo de Ricardo Coutinho

10 janeiro, 2010

Não há como negar que Maranhão e Cássio vêm do mesmo berço e praticam a mesma política de aproveitamento político-pessoal da máquina estatal e políticas públicas superficiais para aparecer na mídia, sem atacar os problemas sociais de forma concreta.

Entretanto em um momento do passado eles racharam, pois afinal a vaga de governador era apenas uma e os dois queriam a cadeira e não flexibilizaram suas posições. Foi assim que surgiu o famoso episódio do campestre em Campina, onde os Cunha Lima se separam dos iniciantes Maranhistas e o PMDB, berço de todos, se divide. Maranhão não queria abandonar esta oportunidade (ser governador em 1998), pois ali ele se firmaria na política e não seria um apêndice dos Cunha Lima.

A esquerda na Paraíba não era ninguém, no perdão da palavra. Estava com seus 10 a 15% do eleitorado e não conseguia vencer os situacionistas. Mesmo quando estes se dividiram em 2002 entre Cássio (PSDB) e Maranhão (PMDB). A divisão só serviu para dividir a Paraíba e criar uma rivalidade como nunca vista, não para aumentar a capacidade política da esquerda.

Em algum momento, nas eleições de 2002 a política paraibana saiu de seu isolamento e teve que se adequar a uma mudança a nível nacional que atingia todo o Brasil. Lula surgir como força política, vindo da esquerda, mas com uma atuação flexibilizada de alianças. Nesse momento as forças da Paraíba tiveram que se posicionar diante do quadro nacional. Apoiar ou não apoiar Lula? Todos de algum modo apoiaram, mas alguns tiveram prejuízos por suas opções passadas. Veja o caso de Cássio.

Cássio em 2000 se aliou com o PT de Campina e se elegeu prefeito, Cozete do PT ficou como vice. Mas essa aproximação de Cássio ficou limitada devido a sua opção de sair do PMDB e ir para o PSDB. Com Lula no poder, a partir de 2003, foi se construindo um antagonismo entre PSDB e PT que terminou por acabar com qualquer opção de aproximação entre Cássio e a esquerda, representada pelo PT e outros. Para completar Cássio destrói politicamente Cozete. De outro lado, a esquerda liderada pelo PT se aproxima do PMDB, primeiro na Paraíba e depois a nível Nacional. Aqui uma nova história foi se construindo e identificações foram surgindo.

Nesse momento, o PMDB de Sarney e de Maranhão é da base de apoio a Lula e visto como sendo da esquerda ou centro-esquerda. Cássio é o oponente, e representa na Paraíba o PSDB, oponente nacional do PT e das esquerdas que fazem um governo a nível federal de sucesso.

Entretanto há que se dizer, o que houve nesse contexto foi a flexibilização das esquerdas em vista a um projeto de poder e não uma guinada de partidos como PMDB em direção a esquerda. Foi seguindo tal idéia que PT se alia a PL, PMDB, PP e outros. Na Paraíba, Ricardo, expoente maior da esquerda leva esta para uma aliança com o PMDB. O PT resiste inicialmente, mas cede e também se junta nesta aliança.

Mais uma vez, em 2009 surge um episódio como o do Campestre em Campina. Há apenas uma vaga e dois fortes candidatos de uma aliança deseja ocupá-la. Ricardo e Maranhão travam uma batalha velada. E a aliança se desmancha. Ricardo e Maranhão viram oponentes e a Paraíba teoricamente teria uma terceira via. Pois junto com esses dois há o candidato de Cássio. Entretanto numa jogada de alto risco Ricardo, representante da esquerda, que serviu de ponte para fortalecer a união das esquerdas com o PMDB, se junta com Cássio, Efraim, PSDB e DEM.

Veja bem, Ricardo deseja apagar sete anos de história, 2003-2009 e retomar um momento no qual a esquerda começava sua política de flexibilização de alianças. Deseja retomar uma aproximação de 10 anos atrás na qual Cássio tentou se relacionar com a esquerda e o PT. Aí está o problema de Ricardo, quer desconstruir uma identidade que foi se formando entre esquerdas e PMDB-Maranhão na Paraíba. Uma identidade construída na incoerência e entre diferentes. Quer retomar um caminho passado que não deu certo. Pior do que isso, o problema de Ricardo é não ter construído uma terceira via esquerdista junto com o PT, PCdoB e outros trabalhistas. Esse pecado é mortal, e a responsabilidade não é só dele, mas do PT também, do Luciano e do Rodrigo.

Essa política de flexibilização vive seu momento decisivo. Ricardo, não se torna pior que Maranhão ou Cássio, simplesmente se iguala a estes em termos de alianças políticas. Maranhão não pode criticá-lo porque é o mesmo que criticar a si mesmo, não pode criticá-lo porque fazer isso é querer se apropriar de uma vestimenta de esquerda, o que não é e nem foi sua. Apenas apoiar Lula não lhe garante tal vestimenta. Afinal, ele fala com orgulho para os quatro cantos que recebeu apoio de prefeitos do DEM e do PSDB de Cássio!

Ricardo é incoerente para a esquerda, assim como foi quando se uniu com o PMDB, assim como Lula com suas alianças. Agora, Ricardo não é incoerente com Maranhão nem com Cássio, porque é esta a política deles. Avenzoar tem a legitimidade e liberdade de criticar Ricardo nesse ponto, Maranhão, só tem a liberdade, não tem legitimidade nenhuma.


Poder político e dinheiro “sujam” eleição de instituições na Paraíba

8 novembro, 2009

Temática de suma importância para quem observa o cenário político paraibano e nacional. Mostra também a capacidade do Paraíba 1 em observar e tentar analisar tais fatos. O movimento estudantil já conhece muito bem essas forças.

A interferência do poder político e da influência econômica no processo de escolha interna das instituições na Paraíba já está chamando a atenção da academia. Nas universidades, o assunto já toma conta de debates em salas de aula e se transforma em teses e monografias. O “fenômeno” em questão está sendo avaliado em seus níveis de contaminação desde a base – como as Sociedades de Amigos de Bairro e Conselhos Tutelares – até esferas de influência poderosas, como a Ordem dos Advogados do Brasil e a poderosa Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep-PB).

“Lamentavelmente, nos últimos tempos, existe bastante material para estudo sobre essa contaminação sem limites das instituições no processo de partidarização de escolha dos dirigentes”, avalia o cientista político Ítalo Fittipaldi. Segundo o especialista, as informações sobre o desvirtuamento das eleições internas nas instituições são “assombrosas e preocupantes”.

Em João Pessoa, a situação é crítica, por exemplo, nas eleições dos conselhos tutelares. Até mesmo a “compra” de candidatos por agentes políticos se transformou numa realidade que já não é mais escondida. “A negociação é grande, tem vereadores aí que estão dando de R$ 2 mil a R$ 5 mil para o conselheiro fazer a campanha”, revelou Carlos Antônio Ribeiro da Silva, 32 anos, educador social que está tentando a recondução ao cargo de conselheiro, mas se diz desestimulado em função da concorrência desleal com candidatos apoiados por donos de mandatos.

A presidente do Conselho Tutelar Sudeste de João Pessoa, Lindinalra da Silva, 28 anos, denunciou que grande parte dos candidatos a conselheiro encara o cargo como “trampolim político”. “Infelizmente virou um cabide de emprego. O que motiva, hoje, algumas pessoas a concorrerem ao cargo de conselheiro tutelar é o salário, a oportunidade de estar em um meio político-partidário”, denuncia Lindinalra.

Ítalo Fittipaldi vê com preocupação esse fenômeno da partidarização de eleições e avalia como perigosa a intensificação dessas interferências. “O grande problema é essas instituições se transformarem em apêndices de partidos políticos, em uma espécie de extensão de legendas, porque assim elas perdem até mesmo a sua legitimidade de representação”, disse o especialista.


PMDB rifa o PT em diversos Estados.

4 novembro, 2009

Quanto vai custar a candidatura do PT a presidência? A morte do partido, sua subserviência aos comandos de um outro partido? Pois bem, as coisas parecem que se encaminham para algo parecido. Será que o PT vai virar partido de cúpula e desconsiderar seus militantes?

Vamos a notícia:

A comissão escalada pelas cúpulas do PMDB e do PT para tentar um entendimento nos Estados em que os dois partidos estão em disputa aberta nas eleições de 2010 faz sua primeira reunião hoje, na sede do PT em Brasília. Os dez petistas e dez peemedebistas que compõem a comissão fizeram reuniões prévias para levantar os problemas eleitorais no Brasil, tal como ficara acertado quando PT e PMDB fecharam a aliança nacional em torno da candidatura à Presidência da República da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.

Em Minas Gerais, o ministro das Comunicações, Hélio Costa, não se conforma de liderar as pesquisas eleitorais com mais de 40% das intenções de voto em qualquer cenário e ainda ter de enfrentar o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), que não ultrapassa 12% na preferência. Ele disse que, deste jeito, perdem os dois. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), também não aceita a candidatura de Lindberg Farias (PT), que já obteve o apoio do diretório fluminense para se apresentar como candidato no horário eleitoral do PT no rádio e na televisão. O programa vai ao ar no fim de novembro.

No Mato Grosso do Sul, o governador André Puccinelli mandou avisar que está pronto para apoiar a candidatura de Dilma Rousseff, mas que não o fará caso o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, entre na briga pelo governo estadual. Para demonstrar boa vontade, ele avisa que já se acertou com o senador Delcídio Amaral (PT-MS) e que não haverá dificuldade em fazer uma dobradinha com o petista.

Ceará

Também é grande a gritaria do PMDB contra o PT no Ceará – do deputado e ex-ministro Eunício Oliveira (PMDB). O protesto é contra a candidatura ao Senado do ministro da Previdência Social, José Pimentel. Em jantar da cúpula peemedebista ontem à noite na residência oficial do presidente da Câmara, deputado Michel Temer (SP), Eunício se queixou de que Pimentel faz uma campanha agressiva com dinheiro da Previdência para competir com ele.

A preocupação dos governistas no Ceará é grande porque uma das duas vagas ao Senado deve ficar com a oposição, já que o senador Tasso Jereissati (PSDB) disputa a reeleição com o apoio do governador Cid Gomes (PSB) e do irmão Ciro, deputado e pré-candidato pelo PSB à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Raio X da violência na Paraíba. Assaltos, crimes, mortes e crack.

20 outubro, 2009

Crack

É cada vez mais notório o aumento significativo da violência na Grande João Pessoa (Capital, Santa Rita, Cabedelo, Bayeux, Lucena, Conde e demais) e também na Paraíba, aí temos Patos, Campina, Mamanguape e outros.

Cenas e fatos que você nunca tinha visto antes, ou que ocorriam uma vez perdida em anos começam a acontecer quase que a todo fim de semana. Invasão de casas, polícia recebida a bala, tortura, mortes por encomenda, sequestro relâmpago, assaltos a ônibus, artistas se envolvendo com crack etc.

Toda esta violência tem um centro nervoso, uma espinha dorsal que se chama CRACK. Trata-se de droga de baixa qualidade e preço, sendo aquela que possui os efeitos mais nocivos a saúde e a família. Ainda, é uma droga de fácil dependência, sendo seu vício extremo. Esta droga invadiu a Paraíba nos últimos anos, com o apoio de pessoas de outros estados. A PF aumentou significativamente a apreensão de crack no Estado. E isso é apenas um sintoma de algo bem maior.

Junto com o crack vem os assaltos, crime organizado, degeneração familiar etc. Esta droga invade todas as classes e cada uma responde de modo diferenciado. Para manter o vício as pessoas mais pobres partem para vender as coisas de casa e depois para assaltos pequenos e grandes. Os mais ricos começam vendendo seus pertences e endividando-se. Começam também a fazer assaltos, quando se veem encurraladas.

Como se pode ver, assaltos a ônibus, empresas de bairro, assaltos relâmpagos, roubo de carros para praticar assaltos viram formas de violência cotidianas a frenquentar jornais e indignar pessoas.

De outro lado, aqueles que não conseguem pagar pela droga, seja roubando ou vendendo o que tem, terminam ficando na mão dos bandidos traficantes e morrem. As mortes por encomenda, os acerto de contas começam a se tornar frequente. São crimes que possuem cada vez mais requintes de crueldade, provavelmente para mostrar e servir de lição para os demais futuros inadimplementos com o crime.

Desse modo, ossadas encontradas, mortes em frente de casa, invasão seguida de morte, assassinos da moto preta viram manchetes de jornais e incomodam a todos.

No meio de tudo isso estão as famílias e amigos. Nesse ponto, a família já está envolvida e começa a se desmanchar em brigas e discussões. Ninguém sabe mais o que pode ser feito. Em pontos extremos os filhos e filhas são presos em casa, são amarrados ou internados, para quem pode pagar pelo tratamento. Em outros casos, os filhos caem no mundo e ficam a mercê da própria sorte.

Comandando isso tudo estão organizações e bandos de criminosos que se alimentam da venda de crack e do consumo. Esses grupos vão ficando cada vez mais organizados e bem armados, aí começam a fazer frente a polícia. Começam a dominar regiões e em certos bairros e favelas o Estado que já erra ausente fica impedido de entrar. Quando entra é recebido a bala.

Dai nasce a passividade da polícia. Muitos policiais acham que deixar os bandidos se matarem e/ou as coisas correm solta é a melhor saída, mas pelo contrário, é deixar a sociedade refém desses grupos que ficam cada vez mais poderosos e concentrados. Nasce também a corrupção, que é um câncer para qualquer organização.

Isso é um circuito conhecido de muitos e muitos lugares. Vejam o caso do Rio, de São Paulo ou de Salvador. Isso tem um início. É o que estamos vendo aqui na Paraíba. Por isso, quando mais cedo o combate, a conscientização, melhores serão os resultados no futuro. Entretanto parece que estamos diante de um Estado, Governo e políticos inoperantes. A polícia entra em greve e ninguém está preocupado. Os jornais a cada dia só noticiam crimes bárbaros e o aumento da violência e ninguém acorda.

Trata-se, como se viu, de um problema complexos, não apenas de polícia, mas social. Depende da geração de emprego e renda, da melhoria da educação e estruturação familiar. Não é apenas combate, é conscientização.

A pergunta é: quando vamos começar a tratar esse tema com a devida seriedade? Quando uma figura de renome morrer ou falar que está viciada em crack? Quando a polícia for atacada pelos bandidos e ficar com cara no chão? Não se pode pecar nesse assunto, pois exemplos já temos, formas de combate também. Porque ficar parado?